09.02  
Inicio arrow Links
Principal
Inicio
Noticias
Artigos
Regras da Lista
Assinar a Lista
Histórico da Lista
Forum
Keyserver
PC-BSD: Artigos
PC-BSD: Notícias
Galeria de Imagens
Contador Usuários FUG
FUGs Estaduais
Downloads
Enquetes
FAQ
Resumo do Site
Links
Pesquisar
Contato
Sobre a FUG-BR
RSS / Twitter
-
DOC-BR (FUG BR)
Introdução
Projeto DOC-BR
Handbook
FAQ Oficial
-
+ Noticias
Alertas de Seguranca
Alertas em Ports
BSD em Geral
DaemonNews (Ingles)
MyFreeBSD
Todas Categorias
-
Login
Nome de Usuário

Senha

Lembrar login
Esqueceu sua senha?
Sem conta? Crie uma


FreeBSD ISOs
Links

Aqui você encontra referências diretas para os repositórios oficiais onde pode fazer download do FreeBSD. Separamos as opções de download por arquitetura para você encontrar mais fácil o FreeBSD mais apropriado para seu computador.

Leia atentamente as descrições antes de começar o download. As referências são sempre para o servidor FTP primário do Projeto FreeBSD , mas você pode usar qualquer um dos servidores espelho oficiais. Para saber como usar servidores espelhos do Projeto FreeBSD, leia:

 

  Link Acessos
  Link   FreeBSD 6.1-RELEASE para i386 (RECOMENDADO)
Download da mais recente versao -RELEASE do sistema operacional FreeBSD para i386 (x86 Compativel). Esta e a arquitetura mais popular de computadores, e tambem a arquitetura Tier-1 principal do FreeBSD. Sua escolha mais provavel.
14386
  Link   FreeBSD/i386
Download das ultimas (mais recentes) versoes -RELEASE do sistema operacional FreeBSD para i386 (x86 Compativel). Esta e a arquitetura mais popular de computadores, e tambem a arquitetura Tier-1 principal do FreeBSD. Sua escolha mais provavel.
8509
  Link   FreeBSD/amd64
Download das ultimas (mais recentes) versoes -RELEASE do sistema operacional FreeBSD para arquitetura 64 bits da AMD. Processadores baseados no AMD Hammer 64 (AMD64, Opteron™, Athlon 64, e EM64T).
4965
  Link   FreeBSD/ia64
Download das ultimas (mais recentes) versoes -RELEASE do sistema operacional FreeBSD para arquitetura IA-64 (Itanium 64, 64bits Intel).
3130
  Link   FreeBSD/sparc64
Download das ultimas (mais recentes) versoes -RELEASE do sistema operacional FreeBSD para Sparc 64 bits (Sparc 64, UltraSPARC®).
2751
  Link   FreeBSD/ppc
Download das ultimas (mais recentes) versoes -RELEASE do sistema operacional FreeBSD para IBM PowerPC (IBM PPC, PPC64, PowerPC).
2794
  Link   DesktopBSD / FreeBSD para Desktop
DesktopBSD e uma versao customizada do FreeBSD destinada a Estacoes de Trabalho (Desktops). Inclui modificacoes no sistema, no gerenciador de janelas KDE, e uma colecao de ferramentas proprias (desktopbsd-tools). Disponivel em 2 CDs ou 1 DVD.
4776
  Link   FreeBSD/alpha
Download das ultimas (mais recentes) versoes -RELEASE do sistema operacional FreeBSD para arquitetura Alpha 64 (Alpha 64, DEC Alpha, Alhpa COMPAQ, ALP-64).
2724
  Link   FreeBSD/pc98
Download das ultimas (mais recentes) versoes -RELEASE do sistema operacional FreeBSD para arquitetura PC98 (JP-PC, PC98, PC-98e).
3020
  Link   PC-BSD / FreeBSD para Desktop
PC-BSD e uma versao customizada do FreeBSD destinada a Estacoes de Trabalho (Desktops). Inclui uma versao customizada do KDE e sistema gerenciador de pacotes proprio. Escolha o numero da versao mais alto. Apenas i386.
3941
  Link   FreeSBIE / FreeBSD Live CD
FreeSBIE e um LiveCD do FreeBSD que roda direto do CD-ROM. Foi criado a partir do LiveCD da FUG-BR, e vem sendo aprimorado desde entao. FreeSBIE assim como LiveCD da FUG e tambem um ToolKit para voce criar seu proprio LiveCD.
5183
  Link   FreeBSD / Imagens ISO de Snapshots periodicos
Snapshots sao versoes experimentais do FreeBSD, criadas a partir do codigo fonte em desenvolviment, e por isso pode conter codigos nao estaveis ou incompletos. Recomendado apenas para desenvolvedores ou curiosos experientes.
3030
 
FUG-BR - Espalhando BSD
Dicas Rápidas:

Precisando descobrir o diretório de um arquivo apagado?

Se o comando `echo $?` retornar 0 significa que o arquivo existe ou existia naquele determinado diretório.

c0d3l4bs# ls -l script.c
-rw-r--r--  1 root  wheel  93 Dec 14 14:57 script.c
c0d3l4bs# rm script.c
c0d3l4bs# ls -l script.c
ls: script.c: No such file or directory
c0d3l4bs# grep -a script.c "./" > /dev/null
c0d3l4bs# echo $?
0
c0d3l4bs# grep -a script.cd "./" > /dev/null
c0d3l4bs# echo $?
1

c0d3l4bs#

 






Wallpapers
Fontes Externas
FreeBSD Multimedia Resources List FreeBSD Multimedia Resources
bsdtalk - DragonFlyBSD 2.8 with Matthew Dillon - MP3 version

DragonFlyBSD 2.8 with Matthew Dillon - MP3 version
From: bsdtalk
Tags: bsdtalk, interview, meetbsd, meetbsd2010, dragonflybsd, matthew dillon, mp3
Interview from MeetBSD California 2010 with Matthew Dillon about the recent 2.8 release of DragonFlyBSD. More information at http://www.dragonflybsd.org/


bsdtalk - DragonFlyBSD 2.8 with Matthew Dillon - Ogg version

DragonFlyBSD 2.8 with Matthew Dillon - Ogg version
From: bsdtalk
Tags: bsdtalk, interview, meetbsd, meetbsd2010, dragonflybsd, matthew dillon, ogg
Interview from MeetBSD California 2010 with Matthew Dillon about the recent 2.8 release of DragonFlyBSD. More information at http://www.dragonflybsd.org/


bsdtalk - PC-BSD 9 Alpha with Kris Moore - MP3 version

PC-BSD 9 Alpha with Kris Moore - MP3 version
From: bsdtalk
Tags: bsdtalk, interview, pc-bsd, meetbsd, meetbsd2010, kris moore, mp3
Interview from MeetBSD California 2010 with Kris Moore. We talk about the new alpha snapshot of PC-BSD 9. More information at http://blog.pcbsd.org/


bsdtalk - PC-BSD 9 Alpha with Kris Moore - Ogg version

PC-BSD 9 Alpha with Kris Moore - Ogg version
From: bsdtalk
Tags: bsdtalk, interview, pc-bsd, meetbsd, meetbsd2010, kris moore, ogg
Interview from MeetBSD California 2010 with Kris Moore. We talk about the new alpha snapshot of PC-BSD 9. More information at http://blog.pcbsd.org/


bsdtalk - The mg text editor with Kjell Wooding - MP3 version

The mg text editor with Kjell Wooding - MP3 version
From: bsdtalk
Tags: bsdtalk, interview, mg, kjell wooding, mp3
Interivew with Kjell Wooding. We talk about the mg text editor. More information can be found in the OpenBSD man page: http://www.openbsd.org/cgi-bin/man.cgi?query=mg


bsdtalk - The mg text editor with Kjell Wooding - Ogg version

The mg text editor with Kjell Wooding - Ogg version
From: bsdtalk
Tags: bsdtalk, interview, mg, kjell wooding, ogg
Interivew with Kjell Wooding. We talk about the mg text editor. More information can be found in the OpenBSD man page: http://www.openbsd.org/cgi-bin/man.cgi?query=mg


bsdtalk - PC-Sysinstall with John Hixson - MP3 version

PC-Sysinstall with John Hixson - MP3 version
From: bsdtalk
Tags: bsdtalk, interview, pc-sysinstall, pc-bsd, john hixson, mp3
Interview with John Hixson. We talk about his work on PC-Sysinstall, the PC-BSD installer and possible alternative to the FreeBSD sysinstall.


bsdtalk - PC-Sysinstall with John Hixson - Ogg version

PC-Sysinstall with John Hixson - Ogg version
From: bsdtalk
Tags: bsdtalk, interview, pc-sysinstall, pc-bsd, john hixson, ogg
Interview with John Hixson. We talk about his work on PC-Sysinstall, the PC-BSD installer and possible alternative to the FreeBSD sysinstall.


bsdtalk - MeetBSD California 2010 - MP3 version

MeetBSD California 2010 - MP3 version
From: bsdtalk
Tags: bsdtalk, interview, meetbsd, meetbsd2010, matt olander, james nixon, mp3
Interview with Matt Olander and James T. Nixon. We talk about MeetBSD California 2010. More information at http://www.meetbsd.com/


bsdtalk - MeetBSD California 2010 - Ogg version

MeetBSD California 2010 - Ogg version
From: bsdtalk
Tags: bsdtalk, interview, meetbsd, meetbsd2010, matt olander, james nixon, ogg
Interview with Matt Olander and James T. Nixon. We talk about MeetBSD California 2010. More information at http://www.meetbsd.com/


TaoSecurity Richard Bejtlich's blog on digital security, strategic thought, and military history.
New Books, and Even Audio and Video Courses, Added to Library Sale

I've been thrilled by the response to my 20 Best Tech Titles Left in My Library Sale, trying to update the original post as readers take advantage of the titles still left in my library. It was time to take another pass, relist the titles from the first post, add new ones, and include a few other items that might appeal to the intelligence of my readership. In that spirit, here is what you see above, as of approximately 1:45 AM ET.

Running IPv6ReviewBuy. The author writes very clearly, in a multi-OS manner.

Crimeware: Understanding New Attacks and DefensesReviewBuy. I wrote "Crimeware is an impressive examination of malware, on a variety of fronts."

The Best of Freebsd BasicsReviewBuy. I wrote "If you are a beginner to intermediate FreeBSD user, you will find this book invaluable. If you are an advanced user, you may find a helpful tip or two as well."

Absolute OpenBSD: Unix for the Practical Paranoid, Second EditionBuy. New condition, except signed by author.

DNSSEC Mastery: Securing the Domain Name System with BINDBuy. New condition, except signed by author.

FreeBSD Mastery: Storage Essentials. Buy. New condition, except signed by author.

Sudo Mastery: User Access Control for Real PeopleBuy. New condition, except signed by author.

SSH Mastery: OpenSSH, PuTTY, Tunnels and Keys. Buy. New condition, except signed by author.

Visible Ops Security: Achieving Common Security And IT Operations Objectives In 4 Practical Steps. Buy

The Visible Ops Handbook: Implementing ITIL in 4 Practical and Auditable Steps. Buy

CISSP Study Guide, Second Edition. Buy

A Guide to Forensic Testimony: The Art and Practice of Presenting Testimony As An Expert Technical Witness. Buy

Recent Advances in Intrusion Detection: 6th International Symposium, RAID 2003, Pittsburgh, PA, USA, September 8-10, 2003, Proceedings (Lecture Notes in Computer Science). Buy

Computer Incident Response and Product Security. Buy.

IT Security Metrics: A Practical Framework for Measuring Security and Protecting Data. Buy.

Network Intrusion Detection (3rd Edition). Buy

Rootkits. Buy.

Designing BSD Rootkits. Buy.

802.11 Wireless Networks, the Definitive Guide (2nd Ed). Buy.

I still have several copies of my newest book, The Practice of Network Security Monitoring, in multiple languages: 


If you would like any of these books signed, please let me know via "seller feedback" after buying, and I will sign them before shipping. 

I'm afraid I'm only shipping within the US. Everything I'm selling is listed here, including the various "Great Courses" from the Teaching Company at the far right side of the photo. It's way too late for me to list those now, but I will probably add them Sunday.

Richard Bejtlich on Amazon.com Click the "products" tab to see listings.

If you order by midnight ET Sunday night, I will get the packages in the mail before work Monday morning.

If you have any questions, please leave a comment here. Enjoy!





20 Best Tech Titles Left in My Library Sale

You might remember when I read and reviewed technical books at a torrid pace. Along the way I donated hundreds of books to readers. Some of you who attended northern Virginia security group meetings, or security classes I taught at Black Hat and elsewhere, might remember me lugging boxes of books, and leaving them on tables and counters. I just wanted to get the books into the hands of readers. I recently donated several boxes of books, along with computers, to the local Cyber Patriots team.

During the last few weeks I've been selling much of my technical library online, reaching an audience that far exceeds what I could meet in person. I'm using the proceeds to add to my martial arts library, a long-buried interest that I've revived and which I am documenting at a separate blog, Rejoining the Tao.

Now I'm left with the titles seen above. I looked at them and realized there are some great books here. I decided to list them in this post with links to my original reviews, where available, and with a link to the purchase landing page. In each case I've tried to be the lowest price. However, I've learned over the last few weeks of the relentless competition among book sellers to reduce prices every day. This is an incredible boon for readers!

Some of these books are new and contain no markings. The ones rated "acceptable" or "very good" contain my neat black underlinings, and a side note or two. Some of you have apparently already purchased books from my library because of these highlights.

All of my books are in excellent condition. However, when I started the listing process several weeks ago, I assumed books with markings were only "acceptable." More recently I learned that markings result in a book being no better than "very good." Some sellers abuse these ratings, listing marked books as "Like New"! In my case, you will see books with "acceptable" or "very good" ratings in my list, although, as I said, I keep my books in excellent condition -- aside from markings, where noted.

If you order any of these by midnight ET tonight, I will get them in the mail Wednesday morning before work.

On to the books!

The following I reviewed as 5 star books:

Running IPv6. Review. Buy. The author writes very clearly, in a multi-OS manner.

Computer Networking: Internet Protocols in Action. Review. Buy. This is the book I frequently recommend to newbies to get started with packet analysis. CD-ROM included.

Network Maintenance and Troubleshooting Guide: Field Tested Solutions for Everyday Problems (2nd Ed). Review. Buy. This book is special. I wrote "a whole new dimension to network analysis, particularly at the lowest levels of the OSI model."

Beginning C: From Novice to Professional. Review. Buy. I said "It's like an entire class in book form."

The following I awarded 4 stars:

Inside the Machine: An Illustrated Introduction to Microprocessors and Computer Architecture. Review. Buy. I said that I wish I could have awarded this book 4 1/2 stars. I wrote " The book doesn't teach assembly, but it shows, instruction by instruction, how it maps to machine language (bit by bit)."

Security Patterns: Integrating Security and Systems Engineering. Review. Buy. I wrote " I still think SP deserves four stars for breaking fairly new ground with this approach, and using non-digital examples to emphasize concepts applicable to information security problems."

Professional Assembly Language. Review. Buy. I wrote "I think you'll enjoy reading the book as much as I did."

VPNs Illustrated: Tunnels, VPNs, and IPsec: Tunnels, VPNs, and IPsec. Review. Buy. I wrote "VPNs Illustrated is a great book for those wishing to understand network traffic at the packet level. Author Jon C. Snader was inspired by the earlier TCP/IP Illustrated volumes, and tries to reproduce the Tcpdump-style material found in Stevens' classics."

Crimeware: Understanding New Attacks and Defenses. Review. Buy. I wrote "Crimeware is an impressive examination of malware, on a variety of fronts."

The Best of Freebsd Basics. Review. Buy. I wrote "If you are a beginner to intermediate FreeBSD user, you will find this book invaluable. If you are an advanced user, you may find a helpful tip or two as well."

The Security Development Lifecycle: SDL: A Process for Developing Demonstrably More Secure Software. Review. Buy. I wrote "I cannot recall seeing another technical company share so much of its internal procedures with the public."

The following books do not feature my reviews, but they are 4-5 star reviewed at Amazon.com.

Industrial Network Security, Second Edition: Securing Critical Infrastructure Networks for Smart Grid, SCADA, and Other Industrial Control Systems 2nd Edition. Buy. New condition.

Absolute OpenBSD: Unix for the Practical Paranoid, Second Edition. Buy. New condition, except signed by author.

Penetration Testing: A Hands-On Introduction to Hacking. Buy. New condition.

DNSSEC Mastery: Securing the Domain Name System with BIND. Buy. New condition, except signed by author.

Malware Analyst's Cookbook and DVD: Tools and Techniques for Fighting Malicious Code. Buy. New condition.

Understanding IPv6 (3rd Edition). Buy. New condition.

Advanced Penetration Testing for Highly-Secured Environments: The Ultimate Security Guide. Buy. New condition.

FreeBSD Mastery: Storage Essentials. Buy. New condition, except signed by author.

Sudo Mastery: User Access Control for Real People. Buy. New condition, except signed by author.

Specials

I have two copies one copy of my first book, The Tao of Network Security Monitoring, left in stock. Buy.

I have several copies of my newest book, The Practice of Network Security Monitoring, left, in multiple languages: 


If you would like any of these books signed, please let me know via "seller feedback" after buying, and I will sign them before shipping. 

I'm afraid I'm only shipping within the US. Everything I'm selling, beyond these 20 titles, is listed here:

Richard Bejtlich on Amazon.com Click the "products" tab to see listings.

If you have any questions, please leave a comment here. Enjoy!

Update: 10:51 pm, 26 Jan 2016. I crossed out books that have been sold as of this time and date.

Update: 6:00 am, 27 Jan 2016. I crossed out books that have been sold as of this time and date.

Update: 9:10 pm, 27 Jan 2016. I crossed out books that have been sold as of this time and date.

Update: 5:20 pm, 29 Jan 2016. I crossed out books that have been sold as of this time and date, and added "FreeBSD Mastery: Storage Essentials" and "Sudo Mastery."



Lt Gen David Deptula on Desert Storm and Islamic State

This weekend Vago Muradian interviewed Lt Gen (ret) David Deptula, most famous for his involvement as a key planner for the Desert Storm air campaign.

I recommend watching the entire video, which is less than 8 minutes long. Three aspects caught my attention. I will share them here.

First, Lt Gen Deptula said that Desert Storm introduced five changes to the character of warfare. I noted that he used the term "character," and not "nature." If you are a student of warfare and/or strategy, you are most likely in the camp that says warfare has an unchanging nature, although its character can change. This is the Clausewitz legacy. A minority camp argues that warfare can change both nature and character.

Second, turning to the five changes introduced by Desert Storm, Lt Gen Deptula listed the following.

1. Desert Storm introduced "expectations of low casualties, for both sides." I agree with the expectation of low casualties for the US, but I don't think low Iraqi casualties were a primary concern. One could argue that stopping the war during the "highway of death" showed the US didn't want to inflict large casualties on the Iraqi forces, but I still think low casualties were primarily a concern for US troops.

2. Desert Storm "normalized precision." Even though a minority of the ordnance delivered during the war were precision weapons, their use steadily increased throughout all later conflicts.

3. Desert Storm introduced joint and combined organization and execution. This was indeed quite a step forward, although I recall reading that that USMC airpower took measures to remain as separate as possible.

4. Desert Storm put the concepts of "effect-based operations" into action. There is no doubt about this one. Lt Gen Deptula talks about a disagreement with Gen Schwartzkopf's staff concerning disabling the Iraqi power grid. Air power achieved the effect of disabling the grid within 3-4 days, but Schwartzkopf's team used traditional attritional models, noting that less than a certain percentage of destruction mean mission failure. Deptula was right; they were wrong.

5. Desert Storm was the first major conflict where airpower was the centerpiece and key force. Call me biased, and no disrespect to the land forces in the Gulf, but I agree with this one.

The third and final noteworthy element of the interview involved Lt Gen Deptula's opinion of Islamic State. He said "it's not an insurgency. IS is a state." He said IS possesses the five elements of a state, namely:

1. Leadership
2. Key essential systems
3. Infrastructure
4. Population
5. Fielded military forces

I agree with his assessment. I also believe that Western leaders are unwilling to grant IS the legitimacy of it being a state, so they persist in calling IS names like ISIS, ISIL, Daesh, and so on. I see no problem with that approach, since it incorporates political sensitivities. However, that approach also aggravates the perception that Western leaders are out of touch with reality.



Why a War Studies PhD?

When I begin receiving multiple questions on a topic, it's a signal that I should write a blog post.

Several of you have asked me about my experience as a PhD candidate in the King's College London Department of War Studies. In this post I will try to answer your questions by explaining how I got to this point and my overall impressions about the program.

My Academic Background

I have bachelor's of science degrees in history and political science from the US Air Force Academy, and a master's degree in public policy from the Harvard Kennedy School. My last formal academic training ended in 1997 when I graduated from the Air Force Intelligence Officers Training Course.

Why a PhD?

I seriously began considering working on my PhD in 2006, when I was an independent consultant. I've guest lectured at dozens of schools over the years, and taught hundreds of students through my Black Hat courses. I thought the PhD experience would open more doors for future academic opportunities, and I welcomed the opportunity to make an original contribution to the literature. In more recent years I've testified to Congress and worked with think tanks, and in both environments PhDs are common.

My First PhD Choice

After reading Security Engineering (the first edition), I was a fan of Dr Ross Anderson at the University of Cambridge Computer Laboratory. I contacted him, as well as some of his PhD candidates. They invited me to guest lecture at the lab, which I did in May 2006. I considered the possibility of doing research on network security motioning. I liked the idea of the "British system," which emphasized practical research, no coursework, and a high degree of independence. I would have to move my family to the UK.

In the spring of 2007, however, I made contact with my future boss at General Electric. I decided instead to join GE as director of incident response. It was too good an opportunity. That put my PhD plans on hold.

A New Direction

In the fall of 2012 I listened to a 24 lecture series titled Masters of War: History's Greatest Strategic Thinkers by Professor Andrew R. Wilson of the Naval War College. Dr. Wilson reintroduced me to the strategists I had learned about as a cadet twenty years earlier, and kindled a deep interest in strategic history, thought, and practice. I began looking for military history and strategy programs, starting with this list maintained by the Society for Military History.

In the summer of 2013, The Economist magazine asked if I would participate in an online debate with Dr Thomas Rid, author of Cyber War Will Not Take Place. After the debate I read Thomas' book, and learned he was a professor in the KCL War Studies department. I enjoyed the debating process and Thomas' book, so I decided to contact him and some of his PhD candidates to learn more about the PhD program.

During that process, FireEye acquired Mandiant in late December 2013. I decided to change roles and become a full-time strategist, inspired by my changing interests and Prof Wilson's course. That decision definitively shifted my focus away from tools and tactics, and towards operations/campaigns and strategy.

My Final PhD Choice

In early 2014 I connected with Rob Lee, who had started his PhD with Thomas in the fall of 2013. Speaking with Thomas and Rob, I learned the KCL War Studies PhD was even more to my liking than the Cambridge program. KCL also emphasized practical research, no coursework, and a high degree of independence. I would not have to move my family to the UK, but I would have to be very disciplined and stay in contact with my advisor and colleagues.

I applied to the program to meet the spring 2014 deadline, with enrollment in fall 2014. I was accepted and started the program in the fall of 2014, while still maintaining my day job at Mandiant and FireEye.

The Thesis

The desired output for the KCL PhD is a thesis, a 80,000 to 100,000 word work with a goal of eventual publication as a book. Since I was already considering writing my fifth book, this seemed an excellent way to accomplish that goal. Others might find this a scary proposition, but I always enjoyed self-paced research, and the opportunity to devise and answer original research questions was appealing.

Milestones

I will shift my focus slightly to those who might be interested in applying to the program. The PhD program offers three major milestones. First, one must be accepted to the program. I recommend perusing the list of people to find faculty and current students with interests similar to yours. Contact them via email to identify possible advisors and colleagues. If you aren't able to attract any interest, it's a sign you might not have a topic suitable for a PhD. That's a personal judgement, of course.

I approached the application process very seriously. I took several months to complete it and submitted my Strategy, Not Speed piece as my writing sample. Thankfully I was accepted!

Once in the program, the second major milestone is called the "mini viva" or the "upgrade." Prior to passing this milestone, as I understand it, one is not technically a PhD candidate yet. One must write a document of about 20,000 words that includes a thesis abstract, outline, introductory chapter, sample chapter, and completion work plan. The student must then defend that document, live, in front of a panel. I passed that stage of my PhD journey late last year.

The third and final major milestone is the "viva" or the defense of the completed thesis. I am several years away from this step, but I expect it to be an extended version of the upgrade process. Remember that one of the purposes of a PhD is to demonstrate the ability to produce high-level, independent research, so I expect my viva to reflect that philosophy.

My Experience

My experience thus far has been excellent and I plan to continue. However, I would like to highlight a few aspects of my situation. First, I am doing research independently, not at the Strand campus in central London. Several of my colleagues are there now, and they have daily access to a whole world of academic experiences that are unavailable to remote students. If you want a campus experience, you should study in London.

Second, I am still working my day job and being a husband and father, which are my priorities. That means I have to be very careful about  how I manage my time. I felt that I could handle the situation, based on my experience writing and publishing my last book. I started writing my last NSM book in January 2013 and had it ready for Black Hat in late July that year, during the time when Mandiant released the APT1 report.

Third, my thesis, the nature of counter-intrusion campaigns, dovetails well with my day job and professional interests. I would not be able to pursue a PhD in a field not related to my professional life -- I simply wouldn't have the time for research. Because my research matches the needs and interests of my employer, the work I do for Mandiant and FireEye frequently doubles as research for my PhD. Obviously I have a very flexible employer who supports my research, and for that I am grateful.

Fourth, although I am independent, thanks to the initiative of colleagues in the DC area, I am not alone. Last month one of us started a group for War Studies students in the DC area, and we plan to have monthly meetings. I also try to meet with KCL personnel (students or faculty) if we happen to be in the same part of the world at the same time. I started a Slack channel but it hasn't really yet taken off.

Recommended Reading

In addition to reading the KCL and War Studies Web sites, I suggest reading Authoring a PhD by Patrick Dunleavy. It is generally aimed at the British PhD process, focusing on the so-called "big book" thesis.  If you find the sort of research and writing described in that book to be exciting, then a KCL PhD might be for you.

Conclusion

In brief, I recommend the KCL War Studies PhD if you meet the following requirements:

  • You have a suitable undergraduate background, temperament, and social and financial situation, such that you are capable of independent research at the highest level.
  • You have an interest that syncs with at least one possible advisor in the department.
  • You are committed to researching for several years, and writing 80,000-100,000 words on your subject, answering research questions to make original academic and practical contributions to the field.

I may add updates to this post, or simply add them as comments or as answers to questions.



Happy 13th Birthday TaoSecurity Blog

Today, 8 January 2016, is the 13th birthday of TaoSecurity Blog! This is also my 3,000th blog post.

I wrote my first post on 8 January 2003 while working as an incident response consultant for Foundstone. Kevin Mandia was my boss. Today I am starting my third year as Chief Security Strategist at FireEye, still working for Kevin Mandia. (It's a small world. In April I will hit my five year anniversary with the Mandiant part of FireEye.)

In 2015 my blogging frequency increased dramatically, with 55 posts, more than double my 2014 total of 23 and triple my 2013 output of 18. In 2012 I posted 60 stories, so I was close to that level in 2015. It's still nothing like my writing from 2003-2011 however!

Why the drop over the years? I "blame" my @taosecurity Twitter account. With almost 36,000 followers, easy posting from mobile devices, and greater interactivity, Twitter is an addictive platform. I have authored roughly 16,000 Tweets since first posting in July 2009.

Second, blogging used to be the primary way I could share my ideas with the community. These days, speaking and writing are a big part of my professional duties. I try to track media reports here and I archive my non-blog writing at my Academia.edu account.

Third, time is precious, and blogging often takes a back seat. I'd rather spend time with my family, write and research my PhD, collaborate with think tanks, and so on.

I still plan to keep blogging in 2016. Twitter's only a 140 character platform, and some days I have the time and inclination to share a few thoughts beyond what I've said or written for work. I have to decide if I want to write about strategy here, or move to another location.

Thanks you to Google for providing me this free platform for the past 13 years, and to you for reading what I post. I'm one of the few original "security bloggers" still active, though not writing in the same way as I did in 2003.

I realize my transition from technical details to strategic considerations has alienated some readers, but I am comfortable with my interests and I believe the greater security community needs to hear from people who think outside the tools and tactics box. This is especially true when the majority of the security community isn't aware they are inside such a box, or that there is another set of ideas and people available to contribute to the world's digital safety and security.



2014-2015 Professional Reading Round-Up



A Brief History of the Internet in Northern Virginia



Domain Creep? Maybe Not.



Not So Fast! Boyd OODA Looping Is More Than Speed



Seven Tips for Personal Online Security



Daemonic Dispatches Musings from Colin Percival
FreeBSD on EdgeRouter Lite - no serial port required

I recently bought an
EdgeRouter Lite to use as a network gateway; I had been using a cheap consumer wifi/NAT device, but I wanted the extra control I could get by running FreeBSD rather than whatever mangled version of Linux the device came with. Someone wrote instructions on installing FreeBSD onto the EdgeRouter Lite two years ago, but they rely on using the serial port to reconfigure the boot loader — perfectly straightforward if you have a serial cable and know what you're doing, but I decided to take the opportunity to provide a more streamlined process.



A challenge to startups

"From those unto whom much has been given, much shall be expected." In various forms this sentiment has been expressed at least as far back as the third century AD, via the Gospel of Luke; more recently it has been cited frequently by US Presidents, and can be seen in modified form in such places as Spider-Man ("With great power comes great responsibility") and the demands of the Occupy movement that the "1%" pay higher taxes. I started thinking about this a few days ago after re-reading
an essay by Paul Graham and thinking about how lucky I was to be running a startup company now rather than two decades ago.



The design of my magic getopt

When I started writing the blog post announcing my
magic getopt, I was intending to write about some of the design decisions which went into it. I changed my mind partway through writing: My readers probably cared about the functionality, but not about the ugly implementation details. It turns out that my original plan was the right one, as I've received questions about nearly every design decision I made. Since this clearly is of interest to my readers, here's the reasons behind some of the decisions I made while writing that code.



A magic getopt

Parsing command lines in C is easy when all of the options are single characters: You pass your command line to getopt along with a string containing all the valid options; then you have a switch statement with a case for each option you want to handle. It looks something like this:

        int ch;
        while ((ch = getopt(argc, argv, ":af:")) != -1) {
                switch (ch) {
                case 'a':
                        aflag = 1;
                        break;
                case 'f':
                        printf("foo: %s\n", optarg);
                        break;
                case ':':
                        printf("missing argument to -%c\n", optopt);
                        /* FALLTHROUGH */
                default:
                        usage();
                }
        }
Unfortunately if you want to add support for long options — say, to accept a new --bar option — you need to switch to using getopt_long and your list of options is no longer confined to the options-processing loop:
enum options
{
	OPTION_BAR
};

...

static struct option longopts[] =
{
	{ "bar", required_argument, NULL, OPTION_BAR }
};

...

        int ch;
        while ((ch = getopt_long(argc, argv, ":af:", longopts, NULL)) != -1) {
                switch (ch) {
                case 'a':
                        aflag = 1;
                        break;
		case OPTION_BAR:
			printf("bar: %s\n", optarg);
			break;
                case 'f':
                        printf("foo: %s\n", optarg);
                        break;
                case ':':
                        printf("missing argument to -%c\n", optopt);
                        /* FALLTHROUGH */
                default:
                        usage();
                }
        }
Rather than adding a new option in one place (or two, if you count the list of options at the top of the loop as being a separate place), new long options require changes in three places — one of which (the enum) is often placed in an entirely separate file. So much for keeping code clean and free of duplication. There has got to be a better way, right?

Enter magic getopt. Via a little bit of macro magic, the above options-handling code turns into this:

        const char * ch;
        while ((ch = GETOPT(argc, argv)) != NULL) {
                GETOPT_SWITCH(ch) {
                GETOPT_OPT("-a"):
                        aflag = 1;
                        break;
                GETOPT_OPTARG("--bar"):
                        printf("bar: %s\n", optarg);
                        break;
                GETOPT_OPTARG("-f"):
                        printf("foo: %s\n", optarg);
                        break;
                GETOPT_MISSING_ARG:
                        printf("missing argument to %s\n", ch);
                        /* FALLTHROUGH */
                GETOPT_DEFAULT:
                        usage();
                }
        }
with each option listed just once, at the point where it is handled.



The HTTP 500 Solution

My
online backup service offers bug bounties for mistakes in the client software; while I explicitly exclude bugs in the Tarsnap website (with the exception of cosmetic errors) in an attempt to discourage people who blindly run vulnerability scanners against websites, I still get a lot of bogus "bug reports". One of the more common reports is "I managed to trigger an HTTP 500 Internal Server Error" response; what people don't realize is that this is in fact entirely deliberate, as part of what I call the "HTTP 500 Solution".



A FreeBSD AMI Builder AMI

I've been working on the
FreeBSD/EC2 platform for a long time; five years ago I finally had it running, and for the past few years it has provided the behaviour FreeBSD users expect — stability and high performance — across all EC2 instance types. Making the platform work was just the first step though; next comes making it usable.

Some people are happy with simply having a virtual machine which runs the base FreeBSD system; for them, the published FreeBSD/EC2 images (which, as of FreeBSD 10.2-RELEASE, are built by the FreeBSD Release Engineer) will be sufficient. For users who want to use "stock" FreeBSD but would like to have some extra setup performed when the instance launches — say, to install some packages, edit some configuration files, and enable some services — I wrote the configinit tool. And for users who need to make changes to FreeBSD itself, I added code for building AMIs into the FreeBSD source tree, so you can take a modified FreeBSD tree and run make ec2ami to generate a reusable image.

There was one group for whom I didn't have a good solution yet, however: Users who want to create FreeBSD AMIs with minor changes, without wanting to go to the effort of performing a complete FreeBSD release build. Ironically, I am exactly such a user: All of the EC2 instances I use for my online backup service make use of spiped to protect sshd and provide encrypted and authenticated tunnels to my mailserver and package server; and so having spiped preinstalled with the appropriate keys would significantly streamline my deployment process. While it's possible to launch a FreeBSD EC2 instance, make some changes, and then ask EC2 to create a new AMI out of it, this rarely produces a "clean" AMI: A lot of code runs when an EC2 instance first launches — creating the ec2-user user, installing the appropriate SSH public key, creating SSH host keys, growing the root filesystem if launched with a larger root disk, downloading and installing updates to FreeBSD, downloading and installing packages... — and much of this needs to be manually reverted before a reusable AMI can be created; not to mention command histories and log files written during the configuration process, which the more fastidious among us may wish to avoid publishing. To solve this problem, I present the FreeBSD AMI Builder, now available as ami-28682f42 in the EC2 US-East-1 region.



Tarsnap email confirmation bypass

Over the past four years,
Tarsnap's bug bounties have received quite a bit of attention. Most of it has been very useful — almost 400 mistakes (most either cosmetic or harmless, but some of them significant) have been reported and fixed — but it does also get some unwanted attention: Despite my clear statement that Tarsnap's bug bounties are for problems in tarsnap code, not for problems in the website, I regularly see people running automated vulnerability scanners... which invariably yield a selection of absurd non-vulnerability "vulnerabilities".

One consequence of these unsolicited security scans is that — since they feed a variety of inputs to forms, including the account creation form — I see a lot of obviously fake signup attempts (alas, none yet from the world's most obviously fake domain name). These are harmless, since the signup code sends out a confirmation email and the account isn't actually created until the alleged registrant follows a link in that email; so I wasn't concerned when I received an email last week telling me that someone was trying to create an account as admin@tarsnap.com.

Five minutes later, I was very concerned upon receiving an email telling me that the registration for admin@tarsnap.com had been confirmed and the account created.



Safe from what?

I woke up this morning to a headline news story on CBC's website:
Is your baby monitor safe? According to a literal reading of Betteridge's law of headlines, the answer to this question should be "no", although if you consider the spirit of the law — as a commentary on sensationalist journalism — then the answer should probably be "yes". To me, neither answer makes sense, because the question itself doesn't make sense.



Tarsnap $1000 exploit bounty

For somewhat over four years,
Tarsnap has been offering bounties for bugs found in the Tarsnap code. Two thirds of the bounties Tarsnap has paid out have been $1 each for cosmetic bugs (e.g., typos in source code comments), and a quarter of the bugs have been $10 each for harmless bugs — mostly memory leaks in error paths where the tarsnap client is about to exit anyway — but there have also been some more serious bugs: Several build-breakage bugs ($20 each); a variety of cases where tarsnap behaviour is wrong in a user-visible — but generally very obscure — way ($50 each); a few crashes ($100); and of course the critical crypto bug which first convinced me to offer bounties.

Most bugs are straightforward, but occasionally one comes up which is not so clear in its impact. Such is the case with a bug which is fixed in tarsnap 1.0.36. This bug causes the NUL string termination byte to overflow the heap-allocated buffer used for paths of objects examined as tarsnap traverses a directory tree; such one-byte heap overflows have been shown to be exploitable in the past. In the case of tarsnap, I will be very surprised if it turns out to be possible to cause anything worse than a crash, but I can't absolutely rule out the possibility.

In light of this, Tarsnap is offering a $1000 exploit bounty: The first person before the end of 2015 who can convincingly demonstrate a serious exploitation of this bug will receive $1000. While there are many organizations which pay more than this for exploits, I think this is a reasonable prize: After all, I'm already telling you what the bug is which you need to exploit! Fine print: No bounty if you're in Iran, North Korea, or some other problem countries. Bounties are awarded at my sole discretion; in particular, I get to decide whether the "convincingly demonstrate" and "serious exploitation" conditions are satisfied. Payment by US dollar check or paypal. To avoid races, contact me before publishing anything. If you can't accept cash prizes, the bounty can be donated to a mutually-acceptable charity of your choice.



"(null)" is a bad idea

What happens if you compile and run the following simple C program?

#include <stdio.h>

int
main(int argc, char * argv[])
{

	printf("%s\n", NULL);
}
If you believe the C standard, you may get demons flying out of your nose. Most developers who understand the implications of NULL pointers would assume that the program crashes. Unfortunately, on some misguided operating systems, the program exits successfully — after printing the string "(null)".



Historico FUG-BR Historico Lista FreeBSD, FUG-BR
[FUG-BR] Hosting para VPS - levantamento

[FUG-BR] Hosting para VPS - levantamento

Re: [FUG-BR] Hosting para VPS - levantamento

Re: [FUG-BR] Hosting para VPS - levantamento

Re: [FUG-BR] Hosting para VPS - levantamento

Re: [FUG-BR] Hosting para VPS - levantamento

[FUG-BR] Hosting para substituir o atual BSDVM

[FUG-BR] Hosting para substituir o atual BSDVM

Re: [FUG-BR] Hosting para substituir o atual BSDVM

Re: [FUG-BR] Hosting para substituir o atual BSDVM

Re: [FUG-BR] Hosting para substituir o atual BSDVM

Re: [FUG-BR] Hosting para substituir o atual BSDVM

Re: [FUG-BR] Hosting para substituir o atual BSDVM

Re: [FUG-BR] Hosting para substituir o atual BSDVM

Re: [FUG-BR] Hosting para substituir o atual BSDVM

Re: [FUG-BR] Hosting para substituir o atual BSDVM

Re: [FUG-BR] Hosting para substituir o atual BSDVM

Re: [FUG-BR] Hosting para substituir o atual BSDVM

Re: [FUG-BR] Hosting para substituir o atual BSDVM

Re: [FUG-BR] Hosting para substituir o atual BSDVM

Web site Grupo Brasileiro de Usuarios FreeBSD Noticias do Web site FUG-BR


Com muito prazer que anunciamos a primeira participação da comunidade FUG-BR (http://www.fug.com.br) em um evento internacional.De 11 a 13 de Setembro, a FUG-BR estará presente em um estande na edição 2014 da FOSSETCON (http://www.fossetcon.org), um dos maiores eventos de software livre da costa leste dos EUA.Essa edição da FOSSETCON acontecerá em Orlando, na Flórida, há 3 horas de Miami e 15 minutos do The Simpsons Park ;-) Aproveitamos então para convidar todos os usuários FreeBSD que por ventura puderem estar em Orlando na data, para participar do evento e prestigiar o estande da FUG-BR.A oportunidade de divulgar a FUG-BR é uma parceria com a ServerU (http://www.serveru.us) que estará no evento promovendo os servidores Netmap L-100 (http://www.serveru.us/pt/netmapl100) e Netmap L-800 (http://www.serveru.us/pt/netmapl800) , servidores especialmente projetados para software livre BSD (e Linux).Ao lado do estande da FUG-BR, você encontrará os booths da ServerU, FreeBSD Foundation (http://www.freebsdfoundation.org), BSD Certification Group (http://www.bsdcertification.org) e iXSystems (http://www.ixsystems.com), então é uma grande oportunidade pra encontrar e interagir com desenvolvedores usuários FreeBSD.Aproveitamos o anuncio para perguntar, quais projetos da FUG-BR (http://www.fug.com.br) você acredita que devem ser divulgados?Por hora pensamos em citar brevemente a história da comunidade pt-BR de FreeBSD, projetos como LiveCD e TinyBSD criados por membros da comunidade e que de certa forma influenciaram outros projetos, os trabalhos de tradução da documentação oficial do FreeBSD, nossa lista de discussão, o número de pessoas cadastradas na lista e no site - o que torna a comunidade FreeBSD brasileira uma das maiores do mundo, e uma das maiores do Brasil dentro a comunidade de software livre). Mas gostaríamos de saber o que mais vocês acham que pode/deve ser dito sobre a FUG-BR pro mundo?Comente nessa notícia ou interaja na lista.

FreeBSD Servindo 30% da Internet Mundial (aka FreeBSD & Netflix)

FreeBSD Servindo 30% da Internet Mundial: Não, essa notícia não é da década de 90. É de 2012. Recentemente nessa Thread (historico/html/freebsd/2012-06/threads.html#00043) da Lista da FUG-BR, comentou-se a notícia que o Netflix usa FreeBSD em sua infra-estrutura de Rede de Distribuição de Conteúdo. A informação havia sido mencionada anteriormente pelo Scott Long, desenvolvedor BSD (e FreeBSD) de longa data, que anunciou antes ter saído do Yahoo! para trabalhar no Netflix.Formalmente o uso de FreeBSD, combinado com servidores commoditie e o webserver Nginx foi informado quando o Netflix anunciou o lançamento de seu Appliace OpenConnect, que o próprio Netflix colocará nos principais Pontos de Troca de Tráfego da Internet e grandes provedores de acesso Internet sem custo para os provedores. Aqui no Brasil Netflix chega com seu Appliace OpenConnect primeiro no PTT-SP e em seguida em alguns provedores que tenho o prazer de atender como clientes da FreeBSD Brasil (http://www.freebsdbrasil.com.br).Mas o que realmente significa dizer que FreeBSD é usado no coração operacional do Netflix?Em 2011 o Netflix passou a representar 32% de todo o tráfego da Internet na América do Norte em horários de pico. E em 2012, 29% da Internet na Europa em horários de pico. Ainda em 2011 a demanda por conteúdo servido pelo Netflix/FreeBSD foi tão grande que os provedores Canadenses e Americamos começaram a reclamar da falta de capacidade e capilaridade para tanto tráfego com esse novo perfil de consumo de banda, na mesma época que Netflix ultrapassou a Apple no segmento de entrega de conteúdo multimídia sob demanda. Foi quando Netflix começou a expandir seu projeto de appliance Open Connect para colocar seu conteúdo mais perto dos provedores e clientes e onerar menos a infra-estrutura de conectividade desses ISP.No passado apenas o Yahoo! na década de 90 havia conseguido essa marca, de representar 30% de toda a Internet mundial. Hoje o Netflix representa 32% da América do Norte e 29% da Europa como mencionado em diveras fontes (procure no Google pela sua preferida), as informações mais recentes são da Arbor Networks. Não é, oficialmente toda a Internet, mas sabemos que América do Norte e Europa representa a fatia mais relevante da Internet.No passado era FreeBSD quem servia 30% de todo o tráfego da Internet, através do Yahoo!, e um pouco mais através do mp3.com, NTT Verio, America Online e outros grandes nomes do início da bolha da Internet comercial nos anos 90. Mas quem vive de passado é museu, correto? Pois bem, e hoje, em pleno 2012, décadas depois, FreeBSD novamente está servindo 1/3 da Internet mundial em horários de pico.Isso mostra que o tempo passou, mas o FreeBSD continua poderoso igual, importante igual, e ao mesmo tempo pouco conhecido e amplamente utilizado nas principais operações de missão crítica da Internet, tudo exatamente como era na época do FreeBSD 2, FreeBSD 3, só que agora no FreeBSD 9.Desde o TCP/IP, coração da Internet, lançado no 4BSD, até o DNS, e-mail, até os Root Name Servers e Refletores de Rota BGP nos pontos de troca de tráfego de Ashburn, Virginia, Los Angeles, Seattle e Milão, desde o boom do Yahoo ao boom do Netflix, o mesmo FreeBSD continua carregando a Internet nas costas... Nos anos 90, 30% da Internet era uma coisa. Em 2012, os mesmos 30% são outra coisa... são alguns Mbit/s a mais. Mostrando que a evolução do FreeBSD é constante, contínua. E você acha que Netflix é algo novo? A empresa existe de 1997, usa FreeBSD desde 1997, mas sem a mesma finalidade. Netflix era uma empresa de aluguel de DVD por correios, o serviço de entrega de conteúdo online começou a crescer em 2007 apenas, alcançando clientes mundo afora. Mas e daí? Você se pergunta... pois bem, outro software de licença BSD tem seu poder exposto pelo Netflix, o Nginx. Dê uma olhada nesse gráfico da Netcraft:http://news.netcraft.com/archives/2012/07/03/july-2012-web-server-survey.html (http://news.netcraft.com/archives/2012/07/03/july-2012-web-server-survey.html)Esse gráfico é o levantamento mais recente do uso de web servers no mundo. Vê a linha verde que começar surgir entre 2007 e 2008 e hoje é tão expressivo seu volume que começa ameaçar o IIS da Microsoft? É graças ao Netflix que o Nginx, Web Server e Inbound Proxy de licença BSD se tornou o terceiro mais utilizado da Internet.Abaixo alguns links sobre o assunto, para enquiquecer sua leitura:http://forums.freebsd.org/showthread.php?t=32558 (http://forums.freebsd.org/showthread.php?t=32558) http://lists.freebsd.org/pipermail/freebsd-stable/2012-June/068129.html (http://lists.freebsd.org/pipermail/freebsd-stable/2012-June/068129.html)http://adrianchadd.blogspot.com.br/2012/06/freebsd-netflix-cdn.html (http://adrianchadd.blogspot.com.br/2012/06/freebsd-netflix-cdn.html) http://www.h-online.com/open/news/item/Netflix-announces-Open-Connect-CDN-1612094.html (http://www.h-online.com/open/news/item/Netflix-announces-Open-Connect-CDN-1612094.html)http://www.pcmag.com/article2/0,2817,2395372,00.asp (http://www.pcmag.com/article2/0,2817,2395372,00.asp)https://signup.netflix.com/openconnect/software (https://signup.netflix.com/openconnect/software)



O site LinuxFr.org está produzindo uma entrevista (em francês) (http://linuxfr.org/news/entretien-avec-andrew-tanenbaum-%C3%A0-propos-de-minix) com o autor, desenvolvedor e pesquisador Andrew Tanenbaum, (em inglês (http://linuxfr.org/nodes/88229/comments/1291183)). Nessa entrevista o mundialmente conhecido autor, referência bibliográfica em 8 em cada 10 trabalhos científicos de graduação e pós em nosso país, fala sobre BSD, sobre Linux, Linus Torvalds e critica a licença GPL, kernel de arquitetura monolítica, entre diversas outras opiniões que podem ser relevantes para muitos, vindas deste autor.Uma notícia curiosa é que Tanenbaum recebeu um financiamento para comercializar o MINIX 3 e em Janeiro ele começa a portar o sistema para arquitetura ARM.Mas o que salta aos olhos é sua opinião de superioridade do BSD sobre Linux e a atribuição a não dominação mundial do BSD ao processo da AT T: A razão pela qual MINIX3 não dominou o mundo é relacionada a um erro que cometi em 1992. Naquela época acreditei que o BSD é que dominaria o mundo! Já era um sistema maduro e estável. Eu não via razão alguma para querer competir com ele, então coloquei o foco acadêmico no MINIX. Quatro dos caras que desenvolviam o BSD formaram uma compania para vender o BSD comercialmente. Tinham até um número telefone bacana, 1-800-ITS-UNIX. Esse telefone os colocou (bem como a mim) pra dentro do mercado. A AT T os processou por causa desse número e o processo levou mais de 3 anos para ser resolvido. Esse era o período preciso em que Linux foi lançado e o BSD ficou estagnado devido ao processo jurídico. Quando foi resolvido Linux já tinha decolado. Meu erro foi não perceber que o processo levaria tanto tempo. Se a AT T não tivesse gerado esse processo (e comprado parte da BSDI depois), Linux nunca seria popular e o BSD dominaria o mundo! Mas Tanenbaum, hoje a tecnologia BSD está presente nos mais populares telefones celulares e tablets do mundo. A tecnologia BSD está embarcada em televisores, satélites. O TCP/IP revolucionou o mundo, a Internet em si, desde o protocolo, os refletores de rota T1 nos core-IXP americanos e europeus, os protocolos de comunicação como e-mail evoluídos do Fetchmail do Eric Allman, a resolução DNS padronizada no Berkeley Internet Name Domain system (BIND) e utilizada até hoje nos Root-NS tal qual criada por 4 alunos de Berkeley, o sistema que equipa Juniper, parte dos produtos Cisco (e portanto a infra-estrutura basica de cada rede), até o trabalho do IPv6 Samurai, Itojun, a criptografia do IPSEC, até algorítimos alternativos de enfileiramente de pacotes como HFSC, CBQ, PRIQ, WFQ que influenciam a priorização de tráfego no mundo. O sistema de controle de vôo da Boing (que cai bem menos que AirBus, a francesa reconhecidamente usa Linux), os sistemas militares baseados em XTS400, protocolos futuros como SCTP, processamento GPU, a própria Web, criada em um sistema híbrido 4.4-BSD pelo Tim Berners-Lee, o TrustedBSD finalmente implementando 30 anos de requisitos do Orange Book, o jemalloc() utilizado no Firefox, Microsoft Office e outras tecnologias, Zero Copy net, o primeiro driver open source do LTE, do 802.11s, Capsicum, os I/O Schedulers que até hoje não existiam mesmo sendo uma necessidade básica de sistemas de armazenamento, a gerência de memória, a memória virtual, o conceito de inodes e todo sistema de arquivos como conhecemos hoje, baseados em varições do UFS; o OpenSSL do https nosso de cada dia, de cada sessão de home banking, home broker e e-commerce; o OpenSSH de 9 em cada 10 sessões ssh do planeta; a alocação de páginas não constante de memória (super pages), até a pilha IP do Windows, Tanenbaum.Por tudo isso que move o mundo há décadas e por tudo que já existia e existe a frente de seu tempo (IPv6, SCTP, GPU Accel, SPages), Tanenbaum, só podemos concluir que você não errou. O BSD domina o mundo, mas em sua mais pura forma, a tecnológica. Talvez o BSD não seja o sistema mais popular do mundo (mas é o mais desejado, afinal quantos ai realmente prefere XYZ a um celular com iOS? Quem prefere um Dell com Windão a um Mac Book Pro com Mac OS X com aceleração GPU?), mas a tecnologia BSD tem sim dominado o mundo há décadas, tem tornado cada navegada nossa de cada possível, cada ligação telefônica móvel, cada e-mail viável, e se apresenta hoje anos ainda a frente, tornando disponível hoje o que provavelmente só será utilizado daqui bons anos.O processo diminuiu a taxa de ação de sistemas BSD mas ajudou a fragmentar a tecnologia BSD, e hoje ela está em lugares óbvios e outros que sequer conseguimos suspeitar. BSD não dominaria o mundo, Tanenbaum, BSD domina, você não errou o fato, errou o escopo, que é tecnológico e não operacional.Até mascote de sistemas tecnológicos é uma inovação BSD. Não haveriam penguins e peixes rechonchudos, ornitorrincos endiabrados, droidzinhos mecânicos, se não fosse pelo Beastie. Mas lógico que com o diferencial, além de mais expressivo e simpático, só nosso mascote é assinado por um gênio da animação (John Lasseter) e copyrighted por um gênio da ciência da computação (McKusick).

Infra-estrutura (FreeBSD) Unix no (Mac) OS X

No dia 01/03 o Renato (http://www.twitter.com/deadrop) me convidou pra escrever um pouco da relação Unix-BSD-OSX, pra série de artigos de segurança sendo divulgados pela IDS Tecnologia (http://www.ids.com.br/) na MacMagazine (http://www.macmagazine.com.br/). Escrevi um artigo um tanto extenso, que foi condensado propriamente ao ser publicado na MacMagazine (clique pra ver) (http://macmagazine.com.br/2012/03/01/seguranca-no-mundo-apple-infraestrutura-unix/), e partes dele serão reutilizados ao longo dos demais artigos. No entanto em particular tive pedidos pelo artigo na íntegra, então segue ele postado aqui na FUG também, espero que gostem :-) Pessoalmente gosto muito desse trecho da história dos BSD em geral e acaba ilustrando como a guerra jurídica que o CSRG/Berkeley sofreu por parte da USL/AT T quando a segunda processou Berkeley por conta dos 6 arquivos AT T restantes no BSD Unix. Lógico que pro mundo BSD foi uma passagem terrível, retardou a adoção de sistemas BSD e liberdade Open Source do código BSD. Mas teve seus lados positivos, como Torvalds e seu kernel baseado no Minix quando ele ficou inseguro ao usar o 386BSD, e nessa passagem outro ponto positivo, a criação do Mach pela universidade de Carnegie Mellon como uma alternativa ao BSD sob base BSD, posteriormente aproveitados no NeXT Step.Segue então o conteúdo, na íntegra, abaixo.

Alta Disponibilidade de Link

IntroduçãoMuitas vezes, provedores de internet ou até mesmo empresas, não têm 2 servidores para ter uma alta disponibilidade de link e servidor. E com isso, eles apenas garantem a disponibilidade de link em único servidor, isso garante que o usuário não vá ligar reclamando que não consegue navegar e bla bla bla, caso o link principal venha ficar indisponível.Para fazer isso, vou usar 2 ferramentas no FreeBSD, uma vai ser o Ifstated para fazer o monitoramento dos link e alterar a rota. E a outra vai ser o Packet Filter, o famoso PF.Caso o link venha ficar indisponível, o Ifstated vai alterar a rota para o outro link.Caso o link indisponível venha ficar disponível automaticamente, a rota vai voltar para a rota default, para o link principal.Já com o PF, vou usar para criar os NAT dos clientes em uma única linha. Ele também pode ser usado como Firewall, redundância de link (round-robin ou source-hash), redirecionamento de portas, e etc.Vamos ao trabalho. Clique abaixo para continuar lendo o artigo todo.



Phoronix confirma o que todos usuários FreeBSD que também usam Linux já sabiam, por experiência própria, as vezes com evidências, outras vezes apenas sensação tecnicamente infundada: FreeBSD consegue ser mais rápido que Linux até pra rodar binários... de Linux!Normalmente essa sensação de maior performance acontece em ambientes como banco de dados Oracle, aplicações mais simples como clientes de peer-to-peer com versão disponível apenas para Linux, e muitos outros. Acontece que mesmo a hipótese de melhor performance no FreeBSD pra rodar binários nativos Linux ser documentada até no FreeBSD Handbook, apesar dos usuários da FUG-BR de tempos em tempos enviarem alguns testemunhos com suas impressões, muitas vezes acompanhados de testes e evidências, ninguém não ligado ao desenvolvimento do FreeBSD tinha documentado testes e resultados nesse ponto.O Phoronix o fez e publicou aqui: http://www.phoronix.com/scan.php?page=article item=linux_games_bsd (http://www.phoronix.com/scan.php?page=article item=linux_games_bsd)A curiosidade é ainda mais inusitada: os testes foram feitos com jogos. Um cenário onde FreeBSD sai em completa desvantagem em modo de compatibilidade pois aceleração gráfica e outros quesitos demandam apoio do kernel em renderizações 3D, efeitos OpenGL e afins. Envolver uma camada de abstração para compatibilidade binária que dê acesso a recursos além do básico, memória, disco, CPU, e envolver aceleração gráfica 3D por si só é algo que o Projeto FreeBSD simplesmente não foca, nem testa performance.Só que o resultado ainda em cenário tão desfavorável foi em média 14% de performance a mais no FreeBSD que no Linux, pros jogos de Linux.Curiosamente foram testados PC-BSD e Ubuntu, as plataformas Linux e FreeBSD mais fáceis de usar.Outro fato importante: os testes envolveram plataformas 32 bits e 64bits, e mesmo a compat binária com Linux em 64bits que é muito nova no FreeBSD, supera Linux em 64bits.O artigo começa com uma introdução sobre o modo de compatibilidade binária do FreeBSD, tece alguns comentários e entra pra uma série de benchmarks comentados.Boa leitura.

FreeBSD 9 - Novo Instalador

Em mais uma boa contribuição em vídeo, Brivaldo apresenta o novo instalador do FreeBSD.O primeiro build de testes do FreeBSD-9.0 está disponível para download. Foram geradas imagens para as arquiteturas: amd64, i386, ia64, powerpc, powerpc64, e sparc64 que estão disponíveis nos espelhos do FreeBSD. Uma das funcionalidades mais interessantes na versão 9.0 é o novo instalador e é encorajado a todos realizar uma instalação limpa em seus sistemas de teste para verificar por problemas de instalação. Acompanhe o post original em http://blog.bibliotecaunix.org/?p=537 (http://blog.bibliotecaunix.org/?p=537)



Nesse screencast, Brivaldo Júnior demonstra a instalação do FreeBSD de forma simples e direta. É um vídeo voltado aos novos usuários FreeBSD ou ainda não usuários, para afastar mitos e medos. Muito bom ver material para novos usuários, tão importante quanto para usuários avançados pois serve de convite para conhecer o sistema.Acesse o link original em http://blog.bibliotecaunix.org/?p=217 (http://blog.bibliotecaunix.org/?p=217)

FUG-BR disponibiliza Keyserver GnuPGP.

A FUG-BR passa a disponibilizar à comunidade seu próprio servidor de chaves PGP. O servidor encontra-se em sincronia com os principais servidores do mundo e faz troca de chaves. Portanto sua chave submetida ou atualizada no servidor PGP da FUG-BR é refletida nos principais enderecos PGP. Sei que quem usa cryptografia no dia a dia sempre tem seu servidor de chaves preferido, mas fica aqui a dica caso queira prestigiar o servidor da FUG-BR :) -- convida Edson Brandi.O servidor pode ser acessado em: http://keyserver.fug.com.br:11371/ (http://keyserver.fug.com.br:11371/)

Brincando com vnet em Jail no FreeBSD

Este tutorial é uma serie de dicas e comandos para gerenciar Jails com o novo esquema de emulação de rede que ainda esta experimental no FreeBSD. Mas já é possível usar as features que o mesmo oferece e criar um ambiente totalmente personalizado com firewall e ferramentas de diagnósticos de rede dentro de uma jail. Uma ótima definição sobre Jail esta disponível no Wikipedia no endereço: http://pt.wikipedia.org/wiki/FreeBSD_jail (http://pt.wikipedia.org/wiki/FreeBSD_jail) Para iniciar-mos o tutorial, precisamos como pre-requisito que você conheça como recompilar o kernel do FreeBSD, tarefa ao qual existem bons documentos disponíveis, a começar pelo o Handbook (http://www.freebsd.org/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/). Leia mais… (http://www.luizgustavo.pro.br/blog/2010/07/29/brincando-com-vnet-em-jail-no-freebsd/#more-592)

Web site Grupo Brasileiro de Usuarios FreeBSD Noticias do Web site FUG-BR


Com muito prazer que anunciamos a primeira participação da comunidade FUG-BR (http://www.fug.com.br) em um evento internacional.De 11 a 13 de Setembro, a FUG-BR estará presente em um estande na edição 2014 da FOSSETCON (http://www.fossetcon.org), um dos maiores eventos de software livre da costa leste dos EUA.Essa edição da FOSSETCON acontecerá em Orlando, na Flórida, há 3 horas de Miami e 15 minutos do The Simpsons Park ;-) Aproveitamos então para convidar todos os usuários FreeBSD que por ventura puderem estar em Orlando na data, para participar do evento e prestigiar o estande da FUG-BR.A oportunidade de divulgar a FUG-BR é uma parceria com a ServerU (http://www.serveru.us) que estará no evento promovendo os servidores Netmap L-100 (http://www.serveru.us/pt/netmapl100) e Netmap L-800 (http://www.serveru.us/pt/netmapl800) , servidores especialmente projetados para software livre BSD (e Linux).Ao lado do estande da FUG-BR, você encontrará os booths da ServerU, FreeBSD Foundation (http://www.freebsdfoundation.org), BSD Certification Group (http://www.bsdcertification.org) e iXSystems (http://www.ixsystems.com), então é uma grande oportunidade pra encontrar e interagir com desenvolvedores usuários FreeBSD.Aproveitamos o anuncio para perguntar, quais projetos da FUG-BR (http://www.fug.com.br) você acredita que devem ser divulgados?Por hora pensamos em citar brevemente a história da comunidade pt-BR de FreeBSD, projetos como LiveCD e TinyBSD criados por membros da comunidade e que de certa forma influenciaram outros projetos, os trabalhos de tradução da documentação oficial do FreeBSD, nossa lista de discussão, o número de pessoas cadastradas na lista e no site - o que torna a comunidade FreeBSD brasileira uma das maiores do mundo, e uma das maiores do Brasil dentro a comunidade de software livre). Mas gostaríamos de saber o que mais vocês acham que pode/deve ser dito sobre a FUG-BR pro mundo?Comente nessa notícia ou interaja na lista.

FreeBSD Servindo 30% da Internet Mundial (aka FreeBSD & Netflix)

FreeBSD Servindo 30% da Internet Mundial: Não, essa notícia não é da década de 90. É de 2012. Recentemente nessa Thread (historico/html/freebsd/2012-06/threads.html#00043) da Lista da FUG-BR, comentou-se a notícia que o Netflix usa FreeBSD em sua infra-estrutura de Rede de Distribuição de Conteúdo. A informação havia sido mencionada anteriormente pelo Scott Long, desenvolvedor BSD (e FreeBSD) de longa data, que anunciou antes ter saído do Yahoo! para trabalhar no Netflix.Formalmente o uso de FreeBSD, combinado com servidores commoditie e o webserver Nginx foi informado quando o Netflix anunciou o lançamento de seu Appliace OpenConnect, que o próprio Netflix colocará nos principais Pontos de Troca de Tráfego da Internet e grandes provedores de acesso Internet sem custo para os provedores. Aqui no Brasil Netflix chega com seu Appliace OpenConnect primeiro no PTT-SP e em seguida em alguns provedores que tenho o prazer de atender como clientes da FreeBSD Brasil (http://www.freebsdbrasil.com.br).Mas o que realmente significa dizer que FreeBSD é usado no coração operacional do Netflix?Em 2011 o Netflix passou a representar 32% de todo o tráfego da Internet na América do Norte em horários de pico. E em 2012, 29% da Internet na Europa em horários de pico. Ainda em 2011 a demanda por conteúdo servido pelo Netflix/FreeBSD foi tão grande que os provedores Canadenses e Americamos começaram a reclamar da falta de capacidade e capilaridade para tanto tráfego com esse novo perfil de consumo de banda, na mesma época que Netflix ultrapassou a Apple no segmento de entrega de conteúdo multimídia sob demanda. Foi quando Netflix começou a expandir seu projeto de appliance Open Connect para colocar seu conteúdo mais perto dos provedores e clientes e onerar menos a infra-estrutura de conectividade desses ISP.No passado apenas o Yahoo! na década de 90 havia conseguido essa marca, de representar 30% de toda a Internet mundial. Hoje o Netflix representa 32% da América do Norte e 29% da Europa como mencionado em diveras fontes (procure no Google pela sua preferida), as informações mais recentes são da Arbor Networks. Não é, oficialmente toda a Internet, mas sabemos que América do Norte e Europa representa a fatia mais relevante da Internet.No passado era FreeBSD quem servia 30% de todo o tráfego da Internet, através do Yahoo!, e um pouco mais através do mp3.com, NTT Verio, America Online e outros grandes nomes do início da bolha da Internet comercial nos anos 90. Mas quem vive de passado é museu, correto? Pois bem, e hoje, em pleno 2012, décadas depois, FreeBSD novamente está servindo 1/3 da Internet mundial em horários de pico.Isso mostra que o tempo passou, mas o FreeBSD continua poderoso igual, importante igual, e ao mesmo tempo pouco conhecido e amplamente utilizado nas principais operações de missão crítica da Internet, tudo exatamente como era na época do FreeBSD 2, FreeBSD 3, só que agora no FreeBSD 9.Desde o TCP/IP, coração da Internet, lançado no 4BSD, até o DNS, e-mail, até os Root Name Servers e Refletores de Rota BGP nos pontos de troca de tráfego de Ashburn, Virginia, Los Angeles, Seattle e Milão, desde o boom do Yahoo ao boom do Netflix, o mesmo FreeBSD continua carregando a Internet nas costas... Nos anos 90, 30% da Internet era uma coisa. Em 2012, os mesmos 30% são outra coisa... são alguns Mbit/s a mais. Mostrando que a evolução do FreeBSD é constante, contínua. E você acha que Netflix é algo novo? A empresa existe de 1997, usa FreeBSD desde 1997, mas sem a mesma finalidade. Netflix era uma empresa de aluguel de DVD por correios, o serviço de entrega de conteúdo online começou a crescer em 2007 apenas, alcançando clientes mundo afora. Mas e daí? Você se pergunta... pois bem, outro software de licença BSD tem seu poder exposto pelo Netflix, o Nginx. Dê uma olhada nesse gráfico da Netcraft:http://news.netcraft.com/archives/2012/07/03/july-2012-web-server-survey.html (http://news.netcraft.com/archives/2012/07/03/july-2012-web-server-survey.html)Esse gráfico é o levantamento mais recente do uso de web servers no mundo. Vê a linha verde que começar surgir entre 2007 e 2008 e hoje é tão expressivo seu volume que começa ameaçar o IIS da Microsoft? É graças ao Netflix que o Nginx, Web Server e Inbound Proxy de licença BSD se tornou o terceiro mais utilizado da Internet.Abaixo alguns links sobre o assunto, para enquiquecer sua leitura:http://forums.freebsd.org/showthread.php?t=32558 (http://forums.freebsd.org/showthread.php?t=32558) http://lists.freebsd.org/pipermail/freebsd-stable/2012-June/068129.html (http://lists.freebsd.org/pipermail/freebsd-stable/2012-June/068129.html)http://adrianchadd.blogspot.com.br/2012/06/freebsd-netflix-cdn.html (http://adrianchadd.blogspot.com.br/2012/06/freebsd-netflix-cdn.html) http://www.h-online.com/open/news/item/Netflix-announces-Open-Connect-CDN-1612094.html (http://www.h-online.com/open/news/item/Netflix-announces-Open-Connect-CDN-1612094.html)http://www.pcmag.com/article2/0,2817,2395372,00.asp (http://www.pcmag.com/article2/0,2817,2395372,00.asp)https://signup.netflix.com/openconnect/software (https://signup.netflix.com/openconnect/software)



O site LinuxFr.org está produzindo uma entrevista (em francês) (http://linuxfr.org/news/entretien-avec-andrew-tanenbaum-%C3%A0-propos-de-minix) com o autor, desenvolvedor e pesquisador Andrew Tanenbaum, (em inglês (http://linuxfr.org/nodes/88229/comments/1291183)). Nessa entrevista o mundialmente conhecido autor, referência bibliográfica em 8 em cada 10 trabalhos científicos de graduação e pós em nosso país, fala sobre BSD, sobre Linux, Linus Torvalds e critica a licença GPL, kernel de arquitetura monolítica, entre diversas outras opiniões que podem ser relevantes para muitos, vindas deste autor.Uma notícia curiosa é que Tanenbaum recebeu um financiamento para comercializar o MINIX 3 e em Janeiro ele começa a portar o sistema para arquitetura ARM.Mas o que salta aos olhos é sua opinião de superioridade do BSD sobre Linux e a atribuição a não dominação mundial do BSD ao processo da AT T: A razão pela qual MINIX3 não dominou o mundo é relacionada a um erro que cometi em 1992. Naquela época acreditei que o BSD é que dominaria o mundo! Já era um sistema maduro e estável. Eu não via razão alguma para querer competir com ele, então coloquei o foco acadêmico no MINIX. Quatro dos caras que desenvolviam o BSD formaram uma compania para vender o BSD comercialmente. Tinham até um número telefone bacana, 1-800-ITS-UNIX. Esse telefone os colocou (bem como a mim) pra dentro do mercado. A AT T os processou por causa desse número e o processo levou mais de 3 anos para ser resolvido. Esse era o período preciso em que Linux foi lançado e o BSD ficou estagnado devido ao processo jurídico. Quando foi resolvido Linux já tinha decolado. Meu erro foi não perceber que o processo levaria tanto tempo. Se a AT T não tivesse gerado esse processo (e comprado parte da BSDI depois), Linux nunca seria popular e o BSD dominaria o mundo! Mas Tanenbaum, hoje a tecnologia BSD está presente nos mais populares telefones celulares e tablets do mundo. A tecnologia BSD está embarcada em televisores, satélites. O TCP/IP revolucionou o mundo, a Internet em si, desde o protocolo, os refletores de rota T1 nos core-IXP americanos e europeus, os protocolos de comunicação como e-mail evoluídos do Fetchmail do Eric Allman, a resolução DNS padronizada no Berkeley Internet Name Domain system (BIND) e utilizada até hoje nos Root-NS tal qual criada por 4 alunos de Berkeley, o sistema que equipa Juniper, parte dos produtos Cisco (e portanto a infra-estrutura basica de cada rede), até o trabalho do IPv6 Samurai, Itojun, a criptografia do IPSEC, até algorítimos alternativos de enfileiramente de pacotes como HFSC, CBQ, PRIQ, WFQ que influenciam a priorização de tráfego no mundo. O sistema de controle de vôo da Boing (que cai bem menos que AirBus, a francesa reconhecidamente usa Linux), os sistemas militares baseados em XTS400, protocolos futuros como SCTP, processamento GPU, a própria Web, criada em um sistema híbrido 4.4-BSD pelo Tim Berners-Lee, o TrustedBSD finalmente implementando 30 anos de requisitos do Orange Book, o jemalloc() utilizado no Firefox, Microsoft Office e outras tecnologias, Zero Copy net, o primeiro driver open source do LTE, do 802.11s, Capsicum, os I/O Schedulers que até hoje não existiam mesmo sendo uma necessidade básica de sistemas de armazenamento, a gerência de memória, a memória virtual, o conceito de inodes e todo sistema de arquivos como conhecemos hoje, baseados em varições do UFS; o OpenSSL do https nosso de cada dia, de cada sessão de home banking, home broker e e-commerce; o OpenSSH de 9 em cada 10 sessões ssh do planeta; a alocação de páginas não constante de memória (super pages), até a pilha IP do Windows, Tanenbaum.Por tudo isso que move o mundo há décadas e por tudo que já existia e existe a frente de seu tempo (IPv6, SCTP, GPU Accel, SPages), Tanenbaum, só podemos concluir que você não errou. O BSD domina o mundo, mas em sua mais pura forma, a tecnológica. Talvez o BSD não seja o sistema mais popular do mundo (mas é o mais desejado, afinal quantos ai realmente prefere XYZ a um celular com iOS? Quem prefere um Dell com Windão a um Mac Book Pro com Mac OS X com aceleração GPU?), mas a tecnologia BSD tem sim dominado o mundo há décadas, tem tornado cada navegada nossa de cada possível, cada ligação telefônica móvel, cada e-mail viável, e se apresenta hoje anos ainda a frente, tornando disponível hoje o que provavelmente só será utilizado daqui bons anos.O processo diminuiu a taxa de ação de sistemas BSD mas ajudou a fragmentar a tecnologia BSD, e hoje ela está em lugares óbvios e outros que sequer conseguimos suspeitar. BSD não dominaria o mundo, Tanenbaum, BSD domina, você não errou o fato, errou o escopo, que é tecnológico e não operacional.Até mascote de sistemas tecnológicos é uma inovação BSD. Não haveriam penguins e peixes rechonchudos, ornitorrincos endiabrados, droidzinhos mecânicos, se não fosse pelo Beastie. Mas lógico que com o diferencial, além de mais expressivo e simpático, só nosso mascote é assinado por um gênio da animação (John Lasseter) e copyrighted por um gênio da ciência da computação (McKusick).

Infra-estrutura (FreeBSD) Unix no (Mac) OS X

No dia 01/03 o Renato (http://www.twitter.com/deadrop) me convidou pra escrever um pouco da relação Unix-BSD-OSX, pra série de artigos de segurança sendo divulgados pela IDS Tecnologia (http://www.ids.com.br/) na MacMagazine (http://www.macmagazine.com.br/). Escrevi um artigo um tanto extenso, que foi condensado propriamente ao ser publicado na MacMagazine (clique pra ver) (http://macmagazine.com.br/2012/03/01/seguranca-no-mundo-apple-infraestrutura-unix/), e partes dele serão reutilizados ao longo dos demais artigos. No entanto em particular tive pedidos pelo artigo na íntegra, então segue ele postado aqui na FUG também, espero que gostem :-) Pessoalmente gosto muito desse trecho da história dos BSD em geral e acaba ilustrando como a guerra jurídica que o CSRG/Berkeley sofreu por parte da USL/AT T quando a segunda processou Berkeley por conta dos 6 arquivos AT T restantes no BSD Unix. Lógico que pro mundo BSD foi uma passagem terrível, retardou a adoção de sistemas BSD e liberdade Open Source do código BSD. Mas teve seus lados positivos, como Torvalds e seu kernel baseado no Minix quando ele ficou inseguro ao usar o 386BSD, e nessa passagem outro ponto positivo, a criação do Mach pela universidade de Carnegie Mellon como uma alternativa ao BSD sob base BSD, posteriormente aproveitados no NeXT Step.Segue então o conteúdo, na íntegra, abaixo.

Alta Disponibilidade de Link

IntroduçãoMuitas vezes, provedores de internet ou até mesmo empresas, não têm 2 servidores para ter uma alta disponibilidade de link e servidor. E com isso, eles apenas garantem a disponibilidade de link em único servidor, isso garante que o usuário não vá ligar reclamando que não consegue navegar e bla bla bla, caso o link principal venha ficar indisponível.Para fazer isso, vou usar 2 ferramentas no FreeBSD, uma vai ser o Ifstated para fazer o monitoramento dos link e alterar a rota. E a outra vai ser o Packet Filter, o famoso PF.Caso o link venha ficar indisponível, o Ifstated vai alterar a rota para o outro link.Caso o link indisponível venha ficar disponível automaticamente, a rota vai voltar para a rota default, para o link principal.Já com o PF, vou usar para criar os NAT dos clientes em uma única linha. Ele também pode ser usado como Firewall, redundância de link (round-robin ou source-hash), redirecionamento de portas, e etc.Vamos ao trabalho. Clique abaixo para continuar lendo o artigo todo.



Phoronix confirma o que todos usuários FreeBSD que também usam Linux já sabiam, por experiência própria, as vezes com evidências, outras vezes apenas sensação tecnicamente infundada: FreeBSD consegue ser mais rápido que Linux até pra rodar binários... de Linux!Normalmente essa sensação de maior performance acontece em ambientes como banco de dados Oracle, aplicações mais simples como clientes de peer-to-peer com versão disponível apenas para Linux, e muitos outros. Acontece que mesmo a hipótese de melhor performance no FreeBSD pra rodar binários nativos Linux ser documentada até no FreeBSD Handbook, apesar dos usuários da FUG-BR de tempos em tempos enviarem alguns testemunhos com suas impressões, muitas vezes acompanhados de testes e evidências, ninguém não ligado ao desenvolvimento do FreeBSD tinha documentado testes e resultados nesse ponto.O Phoronix o fez e publicou aqui: http://www.phoronix.com/scan.php?page=article item=linux_games_bsd (http://www.phoronix.com/scan.php?page=article item=linux_games_bsd)A curiosidade é ainda mais inusitada: os testes foram feitos com jogos. Um cenário onde FreeBSD sai em completa desvantagem em modo de compatibilidade pois aceleração gráfica e outros quesitos demandam apoio do kernel em renderizações 3D, efeitos OpenGL e afins. Envolver uma camada de abstração para compatibilidade binária que dê acesso a recursos além do básico, memória, disco, CPU, e envolver aceleração gráfica 3D por si só é algo que o Projeto FreeBSD simplesmente não foca, nem testa performance.Só que o resultado ainda em cenário tão desfavorável foi em média 14% de performance a mais no FreeBSD que no Linux, pros jogos de Linux.Curiosamente foram testados PC-BSD e Ubuntu, as plataformas Linux e FreeBSD mais fáceis de usar.Outro fato importante: os testes envolveram plataformas 32 bits e 64bits, e mesmo a compat binária com Linux em 64bits que é muito nova no FreeBSD, supera Linux em 64bits.O artigo começa com uma introdução sobre o modo de compatibilidade binária do FreeBSD, tece alguns comentários e entra pra uma série de benchmarks comentados.Boa leitura.

FreeBSD 9 - Novo Instalador

Em mais uma boa contribuição em vídeo, Brivaldo apresenta o novo instalador do FreeBSD.O primeiro build de testes do FreeBSD-9.0 está disponível para download. Foram geradas imagens para as arquiteturas: amd64, i386, ia64, powerpc, powerpc64, e sparc64 que estão disponíveis nos espelhos do FreeBSD. Uma das funcionalidades mais interessantes na versão 9.0 é o novo instalador e é encorajado a todos realizar uma instalação limpa em seus sistemas de teste para verificar por problemas de instalação. Acompanhe o post original em http://blog.bibliotecaunix.org/?p=537 (http://blog.bibliotecaunix.org/?p=537)



Nesse screencast, Brivaldo Júnior demonstra a instalação do FreeBSD de forma simples e direta. É um vídeo voltado aos novos usuários FreeBSD ou ainda não usuários, para afastar mitos e medos. Muito bom ver material para novos usuários, tão importante quanto para usuários avançados pois serve de convite para conhecer o sistema.Acesse o link original em http://blog.bibliotecaunix.org/?p=217 (http://blog.bibliotecaunix.org/?p=217)

FUG-BR disponibiliza Keyserver GnuPGP.

A FUG-BR passa a disponibilizar à comunidade seu próprio servidor de chaves PGP. O servidor encontra-se em sincronia com os principais servidores do mundo e faz troca de chaves. Portanto sua chave submetida ou atualizada no servidor PGP da FUG-BR é refletida nos principais enderecos PGP. Sei que quem usa cryptografia no dia a dia sempre tem seu servidor de chaves preferido, mas fica aqui a dica caso queira prestigiar o servidor da FUG-BR :) -- convida Edson Brandi.O servidor pode ser acessado em: http://keyserver.fug.com.br:11371/ (http://keyserver.fug.com.br:11371/)

Brincando com vnet em Jail no FreeBSD

Este tutorial é uma serie de dicas e comandos para gerenciar Jails com o novo esquema de emulação de rede que ainda esta experimental no FreeBSD. Mas já é possível usar as features que o mesmo oferece e criar um ambiente totalmente personalizado com firewall e ferramentas de diagnósticos de rede dentro de uma jail. Uma ótima definição sobre Jail esta disponível no Wikipedia no endereço: http://pt.wikipedia.org/wiki/FreeBSD_jail (http://pt.wikipedia.org/wiki/FreeBSD_jail) Para iniciar-mos o tutorial, precisamos como pre-requisito que você conheça como recompilar o kernel do FreeBSD, tarefa ao qual existem bons documentos disponíveis, a começar pelo o Handbook (http://www.freebsd.org/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/). Leia mais… (http://www.luizgustavo.pro.br/blog/2010/07/29/brincando-com-vnet-em-jail-no-freebsd/#more-592)

Web site Grupo Brasileiro de Usuarios FreeBSD Noticias do Web site FUG-BR


Com muito prazer que anunciamos a primeira participação da comunidade FUG-BR (http://www.fug.com.br) em um evento internacional.De 11 a 13 de Setembro, a FUG-BR estará presente em um estande na edição 2014 da FOSSETCON (http://www.fossetcon.org), um dos maiores eventos de software livre da costa leste dos EUA.Essa edição da FOSSETCON acontecerá em Orlando, na Flórida, há 3 horas de Miami e 15 minutos do The Simpsons Park ;-) Aproveitamos então para convidar todos os usuários FreeBSD que por ventura puderem estar em Orlando na data, para participar do evento e prestigiar o estande da FUG-BR.A oportunidade de divulgar a FUG-BR é uma parceria com a ServerU (http://www.serveru.us) que estará no evento promovendo os servidores Netmap L-100 (http://www.serveru.us/pt/netmapl100) e Netmap L-800 (http://www.serveru.us/pt/netmapl800) , servidores especialmente projetados para software livre BSD (e Linux).Ao lado do estande da FUG-BR, você encontrará os booths da ServerU, FreeBSD Foundation (http://www.freebsdfoundation.org), BSD Certification Group (http://www.bsdcertification.org) e iXSystems (http://www.ixsystems.com), então é uma grande oportunidade pra encontrar e interagir com desenvolvedores usuários FreeBSD.Aproveitamos o anuncio para perguntar, quais projetos da FUG-BR (http://www.fug.com.br) você acredita que devem ser divulgados?Por hora pensamos em citar brevemente a história da comunidade pt-BR de FreeBSD, projetos como LiveCD e TinyBSD criados por membros da comunidade e que de certa forma influenciaram outros projetos, os trabalhos de tradução da documentação oficial do FreeBSD, nossa lista de discussão, o número de pessoas cadastradas na lista e no site - o que torna a comunidade FreeBSD brasileira uma das maiores do mundo, e uma das maiores do Brasil dentro a comunidade de software livre). Mas gostaríamos de saber o que mais vocês acham que pode/deve ser dito sobre a FUG-BR pro mundo?Comente nessa notícia ou interaja na lista.

FreeBSD Servindo 30% da Internet Mundial (aka FreeBSD & Netflix)

FreeBSD Servindo 30% da Internet Mundial: Não, essa notícia não é da década de 90. É de 2012. Recentemente nessa Thread (historico/html/freebsd/2012-06/threads.html#00043) da Lista da FUG-BR, comentou-se a notícia que o Netflix usa FreeBSD em sua infra-estrutura de Rede de Distribuição de Conteúdo. A informação havia sido mencionada anteriormente pelo Scott Long, desenvolvedor BSD (e FreeBSD) de longa data, que anunciou antes ter saído do Yahoo! para trabalhar no Netflix.Formalmente o uso de FreeBSD, combinado com servidores commoditie e o webserver Nginx foi informado quando o Netflix anunciou o lançamento de seu Appliace OpenConnect, que o próprio Netflix colocará nos principais Pontos de Troca de Tráfego da Internet e grandes provedores de acesso Internet sem custo para os provedores. Aqui no Brasil Netflix chega com seu Appliace OpenConnect primeiro no PTT-SP e em seguida em alguns provedores que tenho o prazer de atender como clientes da FreeBSD Brasil (http://www.freebsdbrasil.com.br).Mas o que realmente significa dizer que FreeBSD é usado no coração operacional do Netflix?Em 2011 o Netflix passou a representar 32% de todo o tráfego da Internet na América do Norte em horários de pico. E em 2012, 29% da Internet na Europa em horários de pico. Ainda em 2011 a demanda por conteúdo servido pelo Netflix/FreeBSD foi tão grande que os provedores Canadenses e Americamos começaram a reclamar da falta de capacidade e capilaridade para tanto tráfego com esse novo perfil de consumo de banda, na mesma época que Netflix ultrapassou a Apple no segmento de entrega de conteúdo multimídia sob demanda. Foi quando Netflix começou a expandir seu projeto de appliance Open Connect para colocar seu conteúdo mais perto dos provedores e clientes e onerar menos a infra-estrutura de conectividade desses ISP.No passado apenas o Yahoo! na década de 90 havia conseguido essa marca, de representar 30% de toda a Internet mundial. Hoje o Netflix representa 32% da América do Norte e 29% da Europa como mencionado em diveras fontes (procure no Google pela sua preferida), as informações mais recentes são da Arbor Networks. Não é, oficialmente toda a Internet, mas sabemos que América do Norte e Europa representa a fatia mais relevante da Internet.No passado era FreeBSD quem servia 30% de todo o tráfego da Internet, através do Yahoo!, e um pouco mais através do mp3.com, NTT Verio, America Online e outros grandes nomes do início da bolha da Internet comercial nos anos 90. Mas quem vive de passado é museu, correto? Pois bem, e hoje, em pleno 2012, décadas depois, FreeBSD novamente está servindo 1/3 da Internet mundial em horários de pico.Isso mostra que o tempo passou, mas o FreeBSD continua poderoso igual, importante igual, e ao mesmo tempo pouco conhecido e amplamente utilizado nas principais operações de missão crítica da Internet, tudo exatamente como era na época do FreeBSD 2, FreeBSD 3, só que agora no FreeBSD 9.Desde o TCP/IP, coração da Internet, lançado no 4BSD, até o DNS, e-mail, até os Root Name Servers e Refletores de Rota BGP nos pontos de troca de tráfego de Ashburn, Virginia, Los Angeles, Seattle e Milão, desde o boom do Yahoo ao boom do Netflix, o mesmo FreeBSD continua carregando a Internet nas costas... Nos anos 90, 30% da Internet era uma coisa. Em 2012, os mesmos 30% são outra coisa... são alguns Mbit/s a mais. Mostrando que a evolução do FreeBSD é constante, contínua. E você acha que Netflix é algo novo? A empresa existe de 1997, usa FreeBSD desde 1997, mas sem a mesma finalidade. Netflix era uma empresa de aluguel de DVD por correios, o serviço de entrega de conteúdo online começou a crescer em 2007 apenas, alcançando clientes mundo afora. Mas e daí? Você se pergunta... pois bem, outro software de licença BSD tem seu poder exposto pelo Netflix, o Nginx. Dê uma olhada nesse gráfico da Netcraft:http://news.netcraft.com/archives/2012/07/03/july-2012-web-server-survey.html (http://news.netcraft.com/archives/2012/07/03/july-2012-web-server-survey.html)Esse gráfico é o levantamento mais recente do uso de web servers no mundo. Vê a linha verde que começar surgir entre 2007 e 2008 e hoje é tão expressivo seu volume que começa ameaçar o IIS da Microsoft? É graças ao Netflix que o Nginx, Web Server e Inbound Proxy de licença BSD se tornou o terceiro mais utilizado da Internet.Abaixo alguns links sobre o assunto, para enquiquecer sua leitura:http://forums.freebsd.org/showthread.php?t=32558 (http://forums.freebsd.org/showthread.php?t=32558) http://lists.freebsd.org/pipermail/freebsd-stable/2012-June/068129.html (http://lists.freebsd.org/pipermail/freebsd-stable/2012-June/068129.html)http://adrianchadd.blogspot.com.br/2012/06/freebsd-netflix-cdn.html (http://adrianchadd.blogspot.com.br/2012/06/freebsd-netflix-cdn.html) http://www.h-online.com/open/news/item/Netflix-announces-Open-Connect-CDN-1612094.html (http://www.h-online.com/open/news/item/Netflix-announces-Open-Connect-CDN-1612094.html)http://www.pcmag.com/article2/0,2817,2395372,00.asp (http://www.pcmag.com/article2/0,2817,2395372,00.asp)https://signup.netflix.com/openconnect/software (https://signup.netflix.com/openconnect/software)



O site LinuxFr.org está produzindo uma entrevista (em francês) (http://linuxfr.org/news/entretien-avec-andrew-tanenbaum-%C3%A0-propos-de-minix) com o autor, desenvolvedor e pesquisador Andrew Tanenbaum, (em inglês (http://linuxfr.org/nodes/88229/comments/1291183)). Nessa entrevista o mundialmente conhecido autor, referência bibliográfica em 8 em cada 10 trabalhos científicos de graduação e pós em nosso país, fala sobre BSD, sobre Linux, Linus Torvalds e critica a licença GPL, kernel de arquitetura monolítica, entre diversas outras opiniões que podem ser relevantes para muitos, vindas deste autor.Uma notícia curiosa é que Tanenbaum recebeu um financiamento para comercializar o MINIX 3 e em Janeiro ele começa a portar o sistema para arquitetura ARM.Mas o que salta aos olhos é sua opinião de superioridade do BSD sobre Linux e a atribuição a não dominação mundial do BSD ao processo da AT T: A razão pela qual MINIX3 não dominou o mundo é relacionada a um erro que cometi em 1992. Naquela época acreditei que o BSD é que dominaria o mundo! Já era um sistema maduro e estável. Eu não via razão alguma para querer competir com ele, então coloquei o foco acadêmico no MINIX. Quatro dos caras que desenvolviam o BSD formaram uma compania para vender o BSD comercialmente. Tinham até um número telefone bacana, 1-800-ITS-UNIX. Esse telefone os colocou (bem como a mim) pra dentro do mercado. A AT T os processou por causa desse número e o processo levou mais de 3 anos para ser resolvido. Esse era o período preciso em que Linux foi lançado e o BSD ficou estagnado devido ao processo jurídico. Quando foi resolvido Linux já tinha decolado. Meu erro foi não perceber que o processo levaria tanto tempo. Se a AT T não tivesse gerado esse processo (e comprado parte da BSDI depois), Linux nunca seria popular e o BSD dominaria o mundo! Mas Tanenbaum, hoje a tecnologia BSD está presente nos mais populares telefones celulares e tablets do mundo. A tecnologia BSD está embarcada em televisores, satélites. O TCP/IP revolucionou o mundo, a Internet em si, desde o protocolo, os refletores de rota T1 nos core-IXP americanos e europeus, os protocolos de comunicação como e-mail evoluídos do Fetchmail do Eric Allman, a resolução DNS padronizada no Berkeley Internet Name Domain system (BIND) e utilizada até hoje nos Root-NS tal qual criada por 4 alunos de Berkeley, o sistema que equipa Juniper, parte dos produtos Cisco (e portanto a infra-estrutura basica de cada rede), até o trabalho do IPv6 Samurai, Itojun, a criptografia do IPSEC, até algorítimos alternativos de enfileiramente de pacotes como HFSC, CBQ, PRIQ, WFQ que influenciam a priorização de tráfego no mundo. O sistema de controle de vôo da Boing (que cai bem menos que AirBus, a francesa reconhecidamente usa Linux), os sistemas militares baseados em XTS400, protocolos futuros como SCTP, processamento GPU, a própria Web, criada em um sistema híbrido 4.4-BSD pelo Tim Berners-Lee, o TrustedBSD finalmente implementando 30 anos de requisitos do Orange Book, o jemalloc() utilizado no Firefox, Microsoft Office e outras tecnologias, Zero Copy net, o primeiro driver open source do LTE, do 802.11s, Capsicum, os I/O Schedulers que até hoje não existiam mesmo sendo uma necessidade básica de sistemas de armazenamento, a gerência de memória, a memória virtual, o conceito de inodes e todo sistema de arquivos como conhecemos hoje, baseados em varições do UFS; o OpenSSL do https nosso de cada dia, de cada sessão de home banking, home broker e e-commerce; o OpenSSH de 9 em cada 10 sessões ssh do planeta; a alocação de páginas não constante de memória (super pages), até a pilha IP do Windows, Tanenbaum.Por tudo isso que move o mundo há décadas e por tudo que já existia e existe a frente de seu tempo (IPv6, SCTP, GPU Accel, SPages), Tanenbaum, só podemos concluir que você não errou. O BSD domina o mundo, mas em sua mais pura forma, a tecnológica. Talvez o BSD não seja o sistema mais popular do mundo (mas é o mais desejado, afinal quantos ai realmente prefere XYZ a um celular com iOS? Quem prefere um Dell com Windão a um Mac Book Pro com Mac OS X com aceleração GPU?), mas a tecnologia BSD tem sim dominado o mundo há décadas, tem tornado cada navegada nossa de cada possível, cada ligação telefônica móvel, cada e-mail viável, e se apresenta hoje anos ainda a frente, tornando disponível hoje o que provavelmente só será utilizado daqui bons anos.O processo diminuiu a taxa de ação de sistemas BSD mas ajudou a fragmentar a tecnologia BSD, e hoje ela está em lugares óbvios e outros que sequer conseguimos suspeitar. BSD não dominaria o mundo, Tanenbaum, BSD domina, você não errou o fato, errou o escopo, que é tecnológico e não operacional.Até mascote de sistemas tecnológicos é uma inovação BSD. Não haveriam penguins e peixes rechonchudos, ornitorrincos endiabrados, droidzinhos mecânicos, se não fosse pelo Beastie. Mas lógico que com o diferencial, além de mais expressivo e simpático, só nosso mascote é assinado por um gênio da animação (John Lasseter) e copyrighted por um gênio da ciência da computação (McKusick).

Infra-estrutura (FreeBSD) Unix no (Mac) OS X

No dia 01/03 o Renato (http://www.twitter.com/deadrop) me convidou pra escrever um pouco da relação Unix-BSD-OSX, pra série de artigos de segurança sendo divulgados pela IDS Tecnologia (http://www.ids.com.br/) na MacMagazine (http://www.macmagazine.com.br/). Escrevi um artigo um tanto extenso, que foi condensado propriamente ao ser publicado na MacMagazine (clique pra ver) (http://macmagazine.com.br/2012/03/01/seguranca-no-mundo-apple-infraestrutura-unix/), e partes dele serão reutilizados ao longo dos demais artigos. No entanto em particular tive pedidos pelo artigo na íntegra, então segue ele postado aqui na FUG também, espero que gostem :-) Pessoalmente gosto muito desse trecho da história dos BSD em geral e acaba ilustrando como a guerra jurídica que o CSRG/Berkeley sofreu por parte da USL/AT T quando a segunda processou Berkeley por conta dos 6 arquivos AT T restantes no BSD Unix. Lógico que pro mundo BSD foi uma passagem terrível, retardou a adoção de sistemas BSD e liberdade Open Source do código BSD. Mas teve seus lados positivos, como Torvalds e seu kernel baseado no Minix quando ele ficou inseguro ao usar o 386BSD, e nessa passagem outro ponto positivo, a criação do Mach pela universidade de Carnegie Mellon como uma alternativa ao BSD sob base BSD, posteriormente aproveitados no NeXT Step.Segue então o conteúdo, na íntegra, abaixo.

Alta Disponibilidade de Link

IntroduçãoMuitas vezes, provedores de internet ou até mesmo empresas, não têm 2 servidores para ter uma alta disponibilidade de link e servidor. E com isso, eles apenas garantem a disponibilidade de link em único servidor, isso garante que o usuário não vá ligar reclamando que não consegue navegar e bla bla bla, caso o link principal venha ficar indisponível.Para fazer isso, vou usar 2 ferramentas no FreeBSD, uma vai ser o Ifstated para fazer o monitoramento dos link e alterar a rota. E a outra vai ser o Packet Filter, o famoso PF.Caso o link venha ficar indisponível, o Ifstated vai alterar a rota para o outro link.Caso o link indisponível venha ficar disponível automaticamente, a rota vai voltar para a rota default, para o link principal.Já com o PF, vou usar para criar os NAT dos clientes em uma única linha. Ele também pode ser usado como Firewall, redundância de link (round-robin ou source-hash), redirecionamento de portas, e etc.Vamos ao trabalho. Clique abaixo para continuar lendo o artigo todo.



Phoronix confirma o que todos usuários FreeBSD que também usam Linux já sabiam, por experiência própria, as vezes com evidências, outras vezes apenas sensação tecnicamente infundada: FreeBSD consegue ser mais rápido que Linux até pra rodar binários... de Linux!Normalmente essa sensação de maior performance acontece em ambientes como banco de dados Oracle, aplicações mais simples como clientes de peer-to-peer com versão disponível apenas para Linux, e muitos outros. Acontece que mesmo a hipótese de melhor performance no FreeBSD pra rodar binários nativos Linux ser documentada até no FreeBSD Handbook, apesar dos usuários da FUG-BR de tempos em tempos enviarem alguns testemunhos com suas impressões, muitas vezes acompanhados de testes e evidências, ninguém não ligado ao desenvolvimento do FreeBSD tinha documentado testes e resultados nesse ponto.O Phoronix o fez e publicou aqui: http://www.phoronix.com/scan.php?page=article item=linux_games_bsd (http://www.phoronix.com/scan.php?page=article item=linux_games_bsd)A curiosidade é ainda mais inusitada: os testes foram feitos com jogos. Um cenário onde FreeBSD sai em completa desvantagem em modo de compatibilidade pois aceleração gráfica e outros quesitos demandam apoio do kernel em renderizações 3D, efeitos OpenGL e afins. Envolver uma camada de abstração para compatibilidade binária que dê acesso a recursos além do básico, memória, disco, CPU, e envolver aceleração gráfica 3D por si só é algo que o Projeto FreeBSD simplesmente não foca, nem testa performance.Só que o resultado ainda em cenário tão desfavorável foi em média 14% de performance a mais no FreeBSD que no Linux, pros jogos de Linux.Curiosamente foram testados PC-BSD e Ubuntu, as plataformas Linux e FreeBSD mais fáceis de usar.Outro fato importante: os testes envolveram plataformas 32 bits e 64bits, e mesmo a compat binária com Linux em 64bits que é muito nova no FreeBSD, supera Linux em 64bits.O artigo começa com uma introdução sobre o modo de compatibilidade binária do FreeBSD, tece alguns comentários e entra pra uma série de benchmarks comentados.Boa leitura.

FreeBSD 9 - Novo Instalador

Em mais uma boa contribuição em vídeo, Brivaldo apresenta o novo instalador do FreeBSD.O primeiro build de testes do FreeBSD-9.0 está disponível para download. Foram geradas imagens para as arquiteturas: amd64, i386, ia64, powerpc, powerpc64, e sparc64 que estão disponíveis nos espelhos do FreeBSD. Uma das funcionalidades mais interessantes na versão 9.0 é o novo instalador e é encorajado a todos realizar uma instalação limpa em seus sistemas de teste para verificar por problemas de instalação. Acompanhe o post original em http://blog.bibliotecaunix.org/?p=537 (http://blog.bibliotecaunix.org/?p=537)



Nesse screencast, Brivaldo Júnior demonstra a instalação do FreeBSD de forma simples e direta. É um vídeo voltado aos novos usuários FreeBSD ou ainda não usuários, para afastar mitos e medos. Muito bom ver material para novos usuários, tão importante quanto para usuários avançados pois serve de convite para conhecer o sistema.Acesse o link original em http://blog.bibliotecaunix.org/?p=217 (http://blog.bibliotecaunix.org/?p=217)

FUG-BR disponibiliza Keyserver GnuPGP.

A FUG-BR passa a disponibilizar à comunidade seu próprio servidor de chaves PGP. O servidor encontra-se em sincronia com os principais servidores do mundo e faz troca de chaves. Portanto sua chave submetida ou atualizada no servidor PGP da FUG-BR é refletida nos principais enderecos PGP. Sei que quem usa cryptografia no dia a dia sempre tem seu servidor de chaves preferido, mas fica aqui a dica caso queira prestigiar o servidor da FUG-BR :) -- convida Edson Brandi.O servidor pode ser acessado em: http://keyserver.fug.com.br:11371/ (http://keyserver.fug.com.br:11371/)

Brincando com vnet em Jail no FreeBSD

Este tutorial é uma serie de dicas e comandos para gerenciar Jails com o novo esquema de emulação de rede que ainda esta experimental no FreeBSD. Mas já é possível usar as features que o mesmo oferece e criar um ambiente totalmente personalizado com firewall e ferramentas de diagnósticos de rede dentro de uma jail. Uma ótima definição sobre Jail esta disponível no Wikipedia no endereço: http://pt.wikipedia.org/wiki/FreeBSD_jail (http://pt.wikipedia.org/wiki/FreeBSD_jail) Para iniciar-mos o tutorial, precisamos como pre-requisito que você conheça como recompilar o kernel do FreeBSD, tarefa ao qual existem bons documentos disponíveis, a começar pelo o Handbook (http://www.freebsd.org/doc/en_US.ISO8859-1/books/handbook/). Leia mais… (http://www.luizgustavo.pro.br/blog/2010/07/29/brincando-com-vnet-em-jail-no-freebsd/#more-592)

FreeBSD VuXML Documenting security issues in FreeBSD and the FreeBSD Ports Collection
ffmpeg -- remote denial of service in JPEG2000 decoder



shotwell -- not verifying certificates



asterisk -- Multiple vulnerabilities



py-rsa -- Bleichenbacher'06 signature forgery vulnerability



webkit -- UI spoof



salt -- code execution



rails -- multiple vulnerabilities



gdcm -- multiple vulnerabilities



mozilla -- multiple vulnerabilities



socat -- diffie hellman parameter was not prime



FreeBSD Security Advisories Security advisories published from the FreeBSD Project
FreeBSD-SA-16:11.openssl



FreeBSD-SA-16:10.linux



FreeBSD-SA-16:09.ntp



FreeBSD-SA-16:08.bind



FreeBSD-SA-16:07.openssh



FreeBSD-SA-16:06.bsnmpd



FreeBSD-SA-16:05.tcp



FreeBSD-SA-16:04.linux



FreeBSD-SA-16:03.linux



FreeBSD-SA-16:02.ntp



FreshPorts news The place for ports
astro/wcslib - 5.14

- Update to 5.14

devel/ocaml-ounit - 1.0.3_2

- Add LICENSE - Switch to options helpers

devel/ocaml-lacaml - 7.2.6

- Add LICENSE_FILE - Switch to options helpers

deskutils/calibre - 2.50.1_1

- Fix shebangs Approved by: portmgr blanket

x11-toolkits/p5-Tk-TableMatrix - 1.23_7

- Mark MAKE_JOBS_UNSAFE, fails sporadically with parallel build: chmod: libpTk.a: No such file or directory or ERROR: Cannot copy 'version.h' to '../blib/arch/Tk/pTk/version.h': Permission denied Approved by: portmgr blanket

devel/cxxtools - 2.2.1_3

- Switch to USES=localbase - Strip libraries - Switch to options helpers - Simplify patches handling

devel/nini - 1.1.0

- Add NO_ARCH - Switch to options helpers

devel/py-should_dsl - 2.1.2

Add py-should_dsl port: Should assertions in Python as clear and readable as possible The goal of Should-DSL is to write should expectations in Python as clear and readable as possible, using "almost" natural language (limited - sometimes - by the Python language constraints). Sponsored by: Farsight Security, Inc.

multimedia/openh264 - 1.5.0

multimedia/openh264: partially unbreak PREFIX != LOCALBASE PR: 206589 Submitted by: mi

security/ca_root_nss - 3.22

security/nss: update to 3.22 Changes: https://developer.mozilla.org/docs/Mozilla/Projects/NSS/NSS_3.22_release_notes PR: 207030 Submitted by: Christoph Moench-Tegeder

security/nss - 3.22

security/nss: update to 3.22 Changes: https://developer.mozilla.org/docs/Mozilla/Projects/NSS/NSS_3.22_release_notes PR: 207030 Submitted by: Christoph Moench-Tegeder

www/firefox - 44.0.1,1

www/firefox: update to 44.0.1 Changes: https://www.mozilla.org/firefox/44.0.1/releasenotes/ PR: 207030 Submitted by: Christoph Moench-Tegeder MFH: 2016Q1

www/firefox-i18n - 44.0.1

www/firefox: update to 44.0.1 Changes: https://www.mozilla.org/firefox/44.0.1/releasenotes/ PR: 207030 Submitted by: Christoph Moench-Tegeder MFH: 2016Q1

www/linux-firefox - 44.0.1,1

www/firefox: update to 44.0.1 Changes: https://www.mozilla.org/firefox/44.0.1/releasenotes/ PR: 207030 Submitted by: Christoph Moench-Tegeder MFH: 2016Q1

BR-Linux.org Desde 1996 levando o Linux a sério
Lançamento do Livro GIMP Descomplicado

Após anos percorrendo o Brasil e exterior lecionando diversos assuntos percententes a computação gráfica livre, chegou o momento tão aguardado por todos que era a publicação do meu livro de Gimp pela editora Viena onde ensino diversas

15% OFF até 05/02 - Curso de Elastix em São Paulo - 16 a 18/02/16 Confirmado

O aluno realizará na prática a criação e configuração de uma Central Telefônica IP a partir do zero, criando os ramais, troncos, gravações de chamadas, relatórios, URAs, conferências, gerenciamento de filas, etc.

Livro Shell Linux e site sobre livros de Linux





O Node.js trouxe uma nova gama de possibilidades para a linguagem javascript. Entre suas maiores vantagens posso citar o uso da mesma linguagem de programação no lado cliente e servidor e usar programação assíncrona por padrão.

Top 10 supercomputadores no mundo que usam Linux

Um supercomputador é um computador com alto nível computacional capaz de executar tarefas complexas (científicas) em grande escala.

Promoção Carnaval - Até 30% OFF nos cursos de Asterisk e/ou Elastix

Aproveite esta promoção de Carnaval, com desconto de até 30% nos cursos de Asterisk e/ou Elastix, somente até o dia 05/02/16.

Carnaval com Zabbix

Está sem grana para curtir o carnaval ou não gosta de folia? A Conectsys está oferecendo descontos incríveis para você passar o carnaval se atualizando com os cursos de Zabbix.



No final do ano passado, a AMD anunciou o GPUOpen; um conjunto de ferramentas de código aberto para ajudar no desenvolvimento de drivers open source que dará condições para os desenvolvedores explorarem todo o potencial dos hardwares da

Teletransporte do VirtualBox em ação

Não vou me atentar aos detalhes, eles estão lá na primeira publicação, mas o que fiz basicamente foi mover o destino do teletransporte para um outro computador e, claro, cuidar para que os demais pré-requisitos também fossem seguidos

Hangout Online e Gratuito - Iniciando no Linux com o Raspberry Pi

Nessa 4a feira (3/2/16) as 20h ocorrerá o Hangout Online e Gratuito - Iniciando no Linux com o Raspberry Pi.

Feed RSS do(a) PSL-Brasil Conteúdo do(a) PSL-Brasil publicado no Software Livre Brasil
Chamada de Trabalhos para FreeBASE 2016



ASL.Org Lança Campanha de Doação para Realizar o FISL17

 

Associação Software Livre (ASL.Org) iniciou nesta quinta-feira (4) uma campanha de arrecadação de fundos para a continuidade de seus trabalhos, entre eles a organização da 17ª edição do Fórum Internacional Software Livre (FISL17), que acontece de 13 a 16 de julho em Porto Alegre.

A instituição existe há 12 anos e, além do FISL, é responsável por operacionalizar iniciativas como o Projeto Software Livre Brasil, Conexões Globais, Oficina de Inclusão Digital e Participação Social (OID) e Rádio e TV Software Livre. 

A ASL também faz a representação legal e formal de diversas comunidades e coletivos que precisam de uma personalidade jurídica para realizar atividades que promovam o conhecimento livre. 

O objetivo da campanha é atingir mil doações para a manutenção das ações e projetos da entidade. Para estimular as contribuições, as pessoas que contribuírem com R$ 170,00 (cento e setenta reais) recebem uma camiseta oficial do FISL e um ingresso de cortesia para o evento. É possível também destinar o ingresso para um fundo voltado a estudantes de escolas públicas.

Acesse o sistema unificado da ASL para fazer sua doação.

<< http://segue.fisl17.softwarelivre.org >>

Confira a carta do conselho da Associação Software Livre.Org:

"A ASL.Org precisa do apoio da comunidade. Colabore!

Você conhece o Projeto Software Livre Brasil? Ele promove o uso, a difusão e o desenvolvimento de softwares livres para o desenvolvimento do Brasil e dos brasileiros.

Softwares livres são a base de construção da internet e da maioria dos programas que se popularizaram com ela, como por exemplo o Google, o Facebook, o Firefox e o Android, principal sistema operacional para celulares. Estes e centenas de outros softwares são desenvolvidos em plataformas abertas, em projetos potencializados por compartilhamento e colaboração. E tudo isso é a base de toda a inovação que há no mundo, nas últimas duas décadas.

A Associação Software Livre é o "braço executivo" do Projeto Software Livre Brasil. Ela defende os interesses do projeto, organiza outras iniciativas relacionadas, oferece serviços, promove e apoia eventos. Entre estes, realiza a dezesseis anos, um que é bastante conhecido fora do Brasil, e é considerado um dos cinco maiores do mundo na categoria: o Fórum Internacional Software Livre (FISL).

Para viabilizar tudo isso, captamos recursos públicos de governos municipais, estaduais e federal, bem como privados de empresas de grande, médio e pequeno porte, e ainda através de inscrições de pessoas como você, que reconhece a importância estratégica e a necessidade desse trabalho.

Agora, chegou a vez de buscarmos a liberdade não só do software, mas do Projeto Software Livre Brasil, do Fórum Internacional Software Livre e de todas as ações promovidas pela ASL.Org, inclusive o apoio a Startups Livres.

Para isso, precisamos da ajuda de todos os integrantes de comunidades de desenvolvimento, de usuários, de aplicativos, de grupos de robótica livre, de hackerspaces livres, da gente ligada à cultura livre, à inclusão digital livre, de todos e todas as pessoas engajadas na promoção da liberdade do conhecimento, para que tenhamos os recursos mínimos necessários aos nossos projetos, com total "independência de fornecedores", mesmo sendo eles, ótimos parceiros.

Engaje-se nesta campanha: faça sua doação especial, receba uma inscrição livre para o FISL17, uma camiseta promocional e venha para o maior evento de colaboração e compartilhamento deste planeta!

Conselho Geral da Associação Software Livre.Org"



Comunidade Software Livre na CPBR9

A Comunidade Software Livre compareceu em peso na Campus Party 2016 e realizou uma agenda com cerca de 68 atividades nas mais diferentes áreas do conhecimento LIVRE. Apenas no Palco Software Livre, sob a curadoria do Paulo Henrique Santana, o PH, foram 32 atividade de excelente qualidade. Das ciências ao desenvolvimento de software, passando por questões de gênero e inclusão digital, artes gráficas, vídeo, o Movimento SL mostrou que está mais vivo e atuante do que nunca e levantou discussões que estão certamente transformando a sociedade para melhor. Se formos falar  em "computadores libertos", foram mais de 71 instalações GNU/Linux!

As atividades repercutiram muito bem na imprensa brasileira, gerando incontáveis artigos e matérias nas mídias impressas, de TV e rádio e outros tantos em mídias virtuais independentes. Deixamos aqui os PARABÉNS e, principalmente, sinceros agradecimentos a estes heróis voluntários que levaram a bandeira da liberdade de conhecimento a um dos maiores eventos de tecnologia da atualidade. 

Já podemos imaginar o vem pela frente durando o Fórum Internacional de Software Livre! =)

Para quem quiser conferir um pouco do que rolou na CPBR9, aqui alguns links das imagens:


Workshop de Software Livre

Mini-curso GNU/Linux

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24649808325/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24649808935/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24281990379/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24021585224/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24623606466/

Oficina de Registro e Licenciamento de Software

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24626144356/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24626144516/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24652353855/

Criando minha própria nuvem em um Servidor Web Linux

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24652372305/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24543999302/

Introdução a Programação com Ruby on Rails

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24040885504/

Edição de vídeo com Software Livre

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24554039992/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24045008933/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24645605366/

Programando Interfaces com Qt/C++

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24560299032/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24581185441/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24307040849/

Hackerspaces feministas: reduzindo a desigualdade de gênero na tecnologia

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24676917825/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24559126682/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24050087063/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24559126322/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24678025185/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24310343279/

Desenvolvendo streaming de vídeo com Python

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24560330942/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24051304203/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24651908296/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24651908006/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24051300983/

Artes Gráficas com Software Livre

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24690898225/

Trabalhando com Posts e Campos Personalizados

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24068494983/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24669123556/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24601806481/

Quer construir um site rápido e gratuito com o Joomla?

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24669115106/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24577553292/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24068486093/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24329177189/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24070020943/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24579082572/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24670643926/

Instalando e personalizando o Debian GNU/Linux

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24420460940/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24089145793/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24089146283/

O Software Livre como ferramenta para a inclusão de mulheres na tecnologia

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24420455920/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24087821344/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24598200692/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24089141543/

 

Palco Cross Space

Internet das Coisas - A próxima fronteira para o Software Livre

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24626138706/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24652347345/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24570152911/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24024208774/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24024209334/

Painel: Como contribuir com projetos de software livre

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24288105289/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24360217130/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24655833895/

Painel: O movimento software livre como agente transformador da sociedade

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24601805961/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24327647869/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24067153574/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24068475613/

Painel: Distribuições GNU/Linux - entenda como elas funcionam

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24088825373/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24622154471/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24622153531/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24420132210/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24689451826/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24715669285/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24715534875/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24715534075/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24347852949/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24622012721/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24088680673/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24715528895/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24419789460/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24621803291/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24088471713/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24621797711/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24689101406/

 

Palco Desevolvimento

Project Cauã: Treinando para seu futuro

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24051301823/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24310444609/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24651905846/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24678124905/

 

Conteúdos by Comunidades

II Encontro de Usuários Diaspora do Brasil

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24041925573/

Projeto e-Jovem, profissionalizando mais 5000 jovens de escolas públicas por ano utilizando Softwares Livres

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24346791189/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24086298974/

Transplante de Instalação GNU/Linux

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24714469135/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24086299954/

 

Bancada

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24089144933/

https://www.flickr.com/photos/campuspartybrasil/24688439546/



Edward Snowden abre o LibrePlanet 2016

A palestra de abertura do LibrePlanet 2016, "Forquilha do Sistema" é uma conversa com o denunciante da Agência de Segurança Nacional (NSA), Edward Snowden, e o tecnólogo da American Civil Liberties Union (ACLU), Daniel Kahn Gillmor.

O evento começa na manhã do sábado, 19 de março, sob o título "O último farol: Software livre em tempos sombrios" e Snowden (que aparecerá através de uma chamada de vídeo software livre) e Daniel Kahn Gillmor irão discutir temas ligados ao software livre, vigilância, alimentação e controle do futuro.


Sobre os palestrantes

Edward Snowden é um ex-oficial de inteligência que serviu a Agência Central de Inteligência (CIA), NSA, e Defense Intelligence Agency (DIA) por quase uma década como especialista no assunto tecnologia e segurança cibernética. Em 2013, ele revelou que a NSA mantinha registros privados de bilhões de pessoas que não eram sido suspeitas de qualquer delito, resultando no maior debate sobre reformas política de vigilância dos EUA desde 1978. Hoje, ele se dedica a trabalhar em métodos para fazer respeitar os direitos humanos através da aplicação e desenvolvimento de novas tecnologias. Ele se juntou ao conselho da Fundação Liberdade de Imprensa, em fevereiro de 2014.

Daniel Kahn Gillmor é um tecnólogo de expressão na ACLU, focado em privacidade e Tecnologia de Projetos e um desenvolvedor de software livre. É membro da Free Software Foundation Associate, membro do Debian e ccolaborados de uma ampla gama de projetos em software livre. Participa também no desenvolvimento de padrões de protocolopara organizações como a Internet Engineering Task Force (IETF) com o objetivo de preservar e melhorar as liberdades e os direitos civis através da infra-estrutura compartilhada da fundação.

O LibrePlanet acontecerá novamente no Massachusetts Institute of Technology (MIT) Stata Center, em Cambridge, Massachusetts, em 19 de março e 20 de 2016. A parceria continuada da Free Software Foundation e da Student Information Processing Board (SIPB) será outra reunião imperdível dos entusiastas do software livre.

O restante do programa do LibrePlanet inclui palestras, workshops e keynotes que podem ser conferidos em: https://libreplanet.org/2016/program/index.html. E como sempre, a entrada para a conferência é grátis para os membros do Free Software Foundation e estudantes. ;)

Para quem quiser conferir vídeos das edições anteriores, acesse: https://media.libreplanet.org

publicado originalmente em:
https://www.fsf.org/blogs/community/edward-snowden-will-kick-off-libreplanet-2016-will-you-be-there



Unimecafy: um conto GNU por Anauac

Ricardo era uma criança especial. Ele percebia as coisas de uma forma diferente. Nem todos entendiam o que ele dizia e ele, quase nunca, entendia o que os demais queriam dizer. - Como é isso de "querer dizer"? Por que não dizem as coisas claramente? Perguntava Ricardo para sua mamãe. Com a paciência que só as mães tem, ela sempre lhe dizia o mesmo - As pessoas tem medo de serem rejeitadas e por isso insinuam mais do que falam, pois falar as coisas exatamente como são, termina por magoar os demais. Ricardo sempre fingia entender, mas essa explicação nunca foi satisfatória. Ricardo, então, continuava a ser direto e objetivo na sua honestidade, afastando as pessoas, mas acreditando cada vez mais que a verdade e o bem sempre prevaleceriam.

Como toda criança Ricardo adorava brincar com seus carrinhos e bonecos, vídeo games e bolas, bicicleta e jogar pião. Mas seu favorito sempre foi o Lego. A possibilidade de libertar a imaginação ligando os bloquinhos de plástico era indescritível! - Olha mamãe, juntei todas as peças que tenho e fiz esse carro com 22 rodas, 19 portas, um elevador, todos os bonecos, cavalinhos e até uma árvore no topo! Ricardo era o orgulho de seus pais.

Ricardo cresceu um pouco e seu pai lhe presenteou com um outro tipo de brinquedo de montar: Unimecafy. Este tinha parafusos, porcas, roldanas, cubos, conectores, rodas e placas perfuradas para que tudo isso pudesse ser interconectado. - Que irado! Isso sim é algo que pode levar minha imaginação a um nível muito mais avançado! Pensou Ricardo. E assim, sem perder, tempo, ele começou a bolar as coisas mais estranhas e fantásticas com as novas peças. O que mantinha tudo junto eram os parafusos e para apertá-los ele precisava usar a chave de fenda que veio no brinquedo. Esta não era uma chave de fenda comum, pois ela tinha ranhuras específicas que se encaixavam nos parafusos, que também não eram comuns.

Ir à escola, fazer os deveres, estudar, comer, o Lego e todo o resto perderam a graça. Havia uma vontade enorme de usar o Unimecafy para criar ferramentas que ajudassem em seu dia a dia. Ricardo fez um passador de páginas do seu livro, uma escala para aumentar o tamanho de um desenho, um apoio giratório para seu Globo e muitas outras coisas superúteis. - Serei um inventor! E poderei ajudar as pessoas com minhas fantásticas invenções. Confessou Ricardo ao seu pai.

Um dia Ricardo descobriu que seu amigo Alan também tinha ganho um Unimecafy e o convidou para brincarem juntos. Quando Alan chegou com sua caixa de peças, ambos pensaram a mesma coisa e falaram juntos: - vamos juntar todas as nossas peças! Vamos construir a maior de todas as invenções! Então limparam um canto do quarto, despejaram todas as peças juntas e colocaram a mão na massa. Em poucos minutos eles já estavam imaginando o tamanho, forma e peças que precisariam para fazer o fantástico escorregador de bolas de gude. E começaram a separar as partes que precisariam. Ricardo fez a base bem sólida, enquanto Alan fez os trilhos por onde as bolas iam passar. Agora só faltava juntar e fixar bem as partes.

Ele tentaram juntá-las colocando uma sobre a outra mas as duas partes não encaixavam. Ele perceberam que a furação das placas perfuradas eram diferentes! E não era só isso os parafusos e as chaves de fenda eram diferentes também. - Ricardo, acho que não vamos conseguir encaixar isso. Disse Alan. - Mas temos que conseguir, afinal o seu é um Unimecafy e o meu também é! Não pode ser! Então com suas caixas de Unimecafy, Ricardo e Alan foram falar com o pai de Ricardo para tentar entender o que havia de errado.

- Papai, Alan e eu estamos tentando juntar estas partes de nossos Unimecafys e não estamos conseguindo. Você pode nos ajudar? Disse Ricardo
- Deixe-me dar uma olhada nessas partes. Hummm, interessante, isso é um escorrego de bolas de gude, certo? Comentou o Pai.
- Sim, estivemos trabalhando nisso por algumas horas, essa parte na sua mão esquerda é a base e na direita o trilho. Interveio Alan.
- Olha, deve ter algo errado, veja os buracos das placas da base feita com meu Unimecafy não encaixam com os buracos das placas dos trilhos feitos com o Unimecafy de Alan! Explicou Ricardo
- Isso não faz muito sentido. Comentou o Pai. - Mas eu tenho uma ideia. Vamos ler o manual de instruções.

Na capa do manual, em letras enormes estava escrito: "O Unimecafy foi desenhado para lhe prover uma experiência única. Use sua imaginação para criar tudo o que quiser!" - Isso é promissor, pensou o Pai. Então ele continuou lendo e procurando por uma explicação. Passou pela sessão de descrição das partes, do funcionamento do brinquedo, do uso correto da chave de fenda, dos cuidados com o manuseio, da garantia e da assistência técnica autorizada. Na última página, ele encontrou o que buscava.

"O Unimecafy foi feito para ser utilizado apenas pela pessoa que pagou pelo direito de usá-lo. Não é permitido o compartilhamento de suas partes e componentes com mais ninguém. A única forma de garantir o uso exclusivo pelo seu portador, é fazer peças diferentes que não possam ser encaixadas com outros Unimecafys."

- Entendeu Ricardo? Esse é um brinquedo para brincar sozinho. Disse o Pai depois de ler.
- Mas pai! Assim não é divertido, não é legal! Reclamou Ricardo
- Verdade tio! Assim não dá! Apoiou Alan
- É assim que as coisas são meu filho. Assunto encerrado. Agora me deixem ler o jornal. Finalizou o Pai.

Alan ficou tão desapontado que arrumou seu Unimecafy e foi para casa. Ricardo não conseguia aceitar a sentença de que as coisas são assim. Ele sabia que tinha que fazer algo para conseguir encaixar as peças dos Unimecafys. Como seria possível aceitar que todas as crianças do mundo não podiam brincar juntas com seus Unimecafys? Porque seu brinquedo favorito não era compatível com os demais? Como juntar todas as invenções maravilhosas de todas as crianças se os Unimecafys não poderiam ser interligados? Pensando nisso, o sono foi maior, e ele adormeceu.

Em seus sonhos havia um grande espírito que lhe dizia: - Você pode encontrar uma solução! Este é o seu destino! Você poderá libertar todos os Unimecafys! - Como? Como? Ecoava a sua voz no sonho. E o espírito lhe disse o que ele já tinha percebido - Crie um Unimecafy livre, onde todas as peças se encaixem, e ensine as outras crianças a como fazer isso elas mesmas!

Na manhã seguinte Ricardo sabia exatamente o que tinha que fazer: criar seu próprio conjunto de peças, placas, parafusos e chaves de fenda. E não só isso, mas contar para todas as demais crianças como fazer o mesmo. As crianças e ele mesmo poderiam, finalmente, juntar suas imaginações, juntar as suas ideias e juntar suas peças!

Durante muito tempo ele desenhou cada uma das peças, cada um dos parafusos, cada uma das placas perfuradas e escreveu um manual de como fazê-las. Então mostrou todo o conjunto ao seu amigo Alan e juntos eles melhoraram ainda mais os desenhos e o manual. E agora juntos decidiram mostrar tudo para todos os amigos da escola, do bairro, do clube, da igreja e de todos os lugares onde iam. E cada dia, mais e mais crianças da sua cidade conseguiam fazer, criar e usar seus próprios Unimecafys livres, que se encaixavam uns com os outros. Em seguida, crianças de todo o país souberam da novidade e não demorou muito para que o Mundo inteiro soubesse e quisesse fazer parte disso. Então todas as sugestões foram levadas em conta e as peças foram ficando cada vez melhores e mais divertidas.

Quando um canal de TV decidiu fazer uma entrevista com Ricardo para entender o porquê, ele disse: - porque eu sou uma criança e sei que nenhuma criança pode ter sua imaginação presa por muito tempo. Todos temos o direito de compartilhar nossas ideias e dividir nossas conquistas.

Ele havia sido objetivo e honesto como sempre e o entrevistador não entendeu muito bem. Mas os fabricantes do Unimecafy entenderam e perceberam que Ricardo estava completamente certo. Desse dia em diante eles só fabricaram peças que podiam se conectar umas as outras e inclusive às peças, parafusos e chaves de fenda feitas por Ricardo, Alan e todos os demais colaboradores do mundo inteiro.

--
Anahuac de Paula Gil

Anahuac - 
http://www.anahuac.eu
KyaHosting - http://www.kyahosting.com
suaNUvem - http://www.suanuvem.com
DiasporaBR - http://diasporabr.com.br
OpenLDAP - http://www.openldap.com.br
Twitter: @anahuacpg
Diaspora: anahuac@diasporabr.com.br
Jabber/XMPP: anahuac@diasporabr.com.br



Comunidade Software Livre na Campus Party Brasil 2016

A Campus Party Brasil 2016, um dos maiores eventos presenciais de tecnologia do globo, acontece de 26 a 31 de janeiro em São Paulo. Como não poderia deixar de ser, a Comunidade Software Livre estará por lá com uma programação LIVRE intensa e cheia de novidades.

Para saber sobre a Programação Completa do evento, acesse http://brasil.campus-party.org/conteudos/agenda.

E abaixo você pode conferir a Programação da nossa comunidade! ;)

 

27 de janeiro de 2016

10:45   Mini-curso GNU/Linu Mais info no Campuse.ro

15:30   Criando minha própria nuvem em um Servidor Web Linux Mais info no Campuse.ro

17:45   Conhecendo na prática o Trisquel GNU/Linux Mais info no Campuse.ro

21:15   Introdução a Programação com Ruby on Rails  Mais info no Campuse.ro

 

28 de janeiro de 2016

10:30   Edição de vídeo com Software Livre Mais info no Campuse.ro

14:15   Programando Interfaces com Qt/C++ Mais info no Campuse.ro

15:30   Hackerspaces feministas: reduzindo a desigualdade de gênero na tecnologia Mais info no Campuse.ro

16:45   CriptoSanta: Entendendo navegação anônima Mais info no Campuse.ro

17:45   Desenvolvendo streaming de vídeo com Python Mais info no Campuse.ro

 

29 de janeiro de 2016

10:30   Artes Gráficas com Software Livre Mais info no Campuse.ro

14:15   Descobri que o computador me obedece! :-) Mais info no Campuse.ro

15:30   Trabalhando com Posts e Campos Personalizados Mais info no Campuse.ro

17:45   Quer construir um site rápido e gratuito com o Joomla? Mais info no Campuse.ro

21:15   Análise de tráfego em redes TCP/IP com tcpdump Mais info no Campuse.ro

 

30 de janeiro de 2016

14:15   Instalando e personalizando o Debian GNU/Linux Mais info no Campuse.ro

16:30   O Software Livre como ferramenta para a inclusão de mulheres na tecnologia Mais info no Campuse.ro

 

Veja também:

Atividades de Software Livre nos outros palcos

Atividades das Comunidades de Software Livre no "conteúdos by comunidades"

 



Eventos de TI - teste



Evite os Compromissos Ruins por Richard Stalmann



Como honrar a vida de Aaron Swartz



Anahuac: auto trolagem

Iniciei os caminhos do Software Livre em 1995, mas levei alguns anos para entender, me livrar dos conceitos formados anteriormente e adotar a filosofia GNU como norteamento profissional e social. Você pode até achar que sou louco, mas na verdade todos fazem isso, de forma consciente ou não. Qual rumo você vai dar a sua vida, qual caminho escolher e quais formatos, métodos e valores vai adotar como forma de vida. Alguns serão mais comerciais, outros mais religiosos, outros mais ecológicos, outros mais engajados e outros, apesar de não se definirem, serão levados a se definir pelo comportamento da maioria.

Faço parte do Movimento Software Livre brasileiro desde o seu nascimento. Vi seus ídolos surgirem, passarem, mudarem e até se antagonizarem ao próprio movimento. Fiz parte do grupo majoritário que a partir de 2004 decidiu abraçar, também, os conceitos OSI para facilitar a adoção do GNU+Linux no meio empresarial e governamental. O objetivo de tornar o Software Livre mais palatável sempre foi o de aumentar sua adoção. Se uma empresa ou governo adotassem o GNU+Linux as pessoas seriam apresentadas ao fantástico sistema operacional e suas vantagens técnicas e ideológicas. Isso provocaria uma reação em cadeia que levaria as pessoas a adotar o GNU+Linux, também em casa e eventualmente fazer pressão de mercado por dispositivos compatíveis e obviamente, um revolução estaria em curso. Essa foi uma tendência seguida por 9 entre 10 militantes e simpatizantes do Software Livre e vem se arrastando até hoje.

Fomos absurdamente inocentes. Realmente acreditamos que jogaríamos esse jogo, sob as regras do mercado, no campo do mercado e ainda assim ganharíamos. Fomos cooptados como movimento e o Software Livre, lentamente, foi convertido de um posicionamento filosófico, social e político, em um modelo de produção mais eficiente. GNU+Linux virou Linux, Livre virou Aberto (Free --> Open), Linus virou o "pop star" do movimento enquanto Stallman foi escanteado e Software Livre virou FOSS ou FLOSS, para poder apagar de vez qualquer dúvida do quanto eram tecnicamente superiores e ideologicamente insignificantes.

Eu acordei desse encanto em 2012 quando me dei conta de que estava completamente dependente das ferramentas do Google. Em um artigo comuniquei que estava deixando de usá-las e até escrevi um HowTo de como proceder. Foi nesse mesmo ano que a Canonical decidiu embutir um spyware no Ubuntu, a distribuição que eu usava, e isso me fez ainda mais atento aos detalhes do que eu estava chamando de Software Livre.

Desde então tenho me dedicado a alertar os militantes do Software Livre sobre o encantamento no qual se encontram, implorando que despertem e percebam que apesar de acharem que estão fazendo o bem, estão ajudando a enganar as pessoas, estão distribuindo software não livre e, consequentemente, matando o Movimento Software Livre.

É claro que eu não poderia sair incólume. Apontar os erros dos outros é uma tarefa ingrata. Especialmente porque, estou me dirigindo a pessoas com um intelecto privilegiado, capacidade avançada de pensamento cognitivo e com muitos anos de militância na bagagem. Os argumentos estão sedimentados e as meias-verdades estão sedimentadas como verdades absolutas. E essa reação é tão forte, que os argumentos chegam a beirar o surrealismo, como insistir em dizer que o Linux é Software Livre.

Então, depois de anos recebendo criticas e toda sorte de acusações, decidi fazer uma auto entrevista comigo mesmo - pleonasmos propositais - para esclarecer algumas perguntas que sempre me fazem. Então se preparem, a tarefa de auto trolagem não é nada bonita.

P: Quem você pensa que é para falar em nome do Software Livre? Você não acha que seus 5 minutos de fama já acabaram?

Puxa vida! Eu não sou ninguém. Sempre repito isso, mas as pessoas tendem a ignorar. Eu não faço parte da FSF ou nenhuma outra organização formal. Não represento ninguém. Sou apenas um militante ativo. Então eu não sou ninguém!

Não me acho melhor nem pior do que ninguém. Mas é interessante como os criticos conseguem ser malvados. Eu nunca sofri tantos ataques de caráter pessoal em toda minha vida. O mais triste é que eles vem de pessoas supostamente esclarecidas, inteligentes e oriundas do próprio Movimento Software Livre.

P: Você critica muito e fala muito, você contribuiu com algum projeto de Software Livre?

Como disse antes eu sou um militante do Movimento Software Livre e portanto, é inevitável que eu tenha feito e continue contribuindo. Sou fundador do G/LUG-PB - Grupo de Usuários GNU/Linux da Paraíba, ajudei a realizar alguns eventos, como o ENSOL - Encontro de Software Livre da Paraíba, desenvolvi alguns Softwares Livres como o LESP, lesp-cel e KyaPanel (antes chamado de JeguePanel), contribuí para diversos outros projetos traduzindo e mandando pequenas contribuições e correções, e sou mantenedor do primeiro POD (servidor) Diáspora no Brasil. Sei que não é muito, mas tento fazer a minha parte.

P: Você sabe compilar um software?

Sei sim. Inclusive o kernel linux-libre :-)

P: Você acredita em Deus?

Não. Sou ateu desde criança.

Costumo dizer que sou ateu, materialista, dialético, graças a Deus! :-)

P: Você é comunista?

Sou socialista, que é o embasamento ideológico do comunismo. O Comunismo é uma tentativa pragmática de aplicar o Socialismo. Mas se você quiser saber eu sou Fidelista sim. Tenho família em Cuba e conheço bem os problemas e méritos do sistema Cubano. Prefiro 1000x uma sociedade igualitária e com os melhores índices sociais das Américas às desigualdades mantidas propositadamente pelo capitalismo.

E antes que me mandem ir para Cuba, permita que lhes diga que eu já tentei. E 1998 fui a Cuba a passeio e pedi para ficar. Não me deixaram. Hoje não há mais espaço para uma mudança desse tipo, constitui família e tenho uma carreira profissional. Mas não deixo de lutar pelos meus ideais políticos aqui mesmo no Brasil. Sou Brasileiro e não desisto nunca!

P: Você acha que o Movimento Software Livre tem viés de esquerda?

Acho que sim. Não foi algo pensado ou planejado. O próprio Stallman diz que se trata de um movimento social e político que empodera o usuário através do acesso ao código, para mudar a relação de poder entre os usuários e os fornecedores de tecnologia. Hora, na minha compreensão, todo movimento que empodera o cidadão em detrimento das corporações é um movimento de cunho socialista. Além disso o próprio caráter distributivo, igualitário e comunitário fazem do Software Livre um movimento de esquerda.

P: Então se você é socialista você acha que não se deve ou não se pode ganhar dinheiro com Software Livre?

Nada disso. Pode-se e deve-se gerar riqueza com Software Livre. Apenas o modelo de como se faz isso é que deveria ser repensado. O modelo que eu mais gosto é o de Cooperativa, nos moldes da COLIVRE, mas respeitando as leis vigentes, respeitando às liberdades do software segundo as definições da GPL e adotando uma abordagem mais humana de fazer negócios (isso é possível?) então ta de boa ganhar grana com Software Livre.

Se quiserem mais exemplos de como se faz isso, basta assistir as dezenas de palestras do Jon "maddog" Hall. Inclusive ele está empenhado em um agora mesmo: o Projeto Cauã.

P: Você critica muito o uso das redes sociais, inclusive às chama de Redes Devassas, mas você tem uma conta no Twitter? Você não se sente agindo de ma fé, algo como" faça o que eu digo, mas não o que faço"?

Sim, me sinto assim, mas não é algo verdadeiro. Eu não defendo, nem cobro de ninguém 100% de uso de Softwares Livres. Acho que não é possível neste momento. O meu objetivo é tirar as pessoas de sua zona de conforto e fazer com que percebam que passaram, perigosamente, do limite. Usar uma rede ou outra, um software não livre ou outro não é um problema tão grave assim. Mas quando você perceber que quase tudo o que faz no seu dia a dia, depende de uma rede devassa, de um serviço on-line privativo ou de um software não livre, então é hora de repensar. O mais grave é que tem gente que está nessa situação, defende que deve ser assim mesmo e ainda se define como ativista do Software Livre. Faz sentido?

Se eu quantificar o percentual de softwares não livres + redes devassas que uso, em relação aos Softwares Livres e redes sociais livres, seria algo me torno de 10%. Então usar o Twitter, com clientes livres (Twidere e Hotot) para não me isolar do mundo, não me parece uma falta de coerência tão grave assim. Não sou perfeito e não estou pedindo que ninguém seja.

Mas usar Google, Gmail, Hangout, Skype, Steam, iPhone e ainda falar em liberdade tecnológica e palestrar sobre Software Livre é meio ridículo.

P: Você sempre indica que sejam usadas as distribuições Linux recomendadas pela FSF, mas você mesmo usa openSuse. Porque?

Eu sou um profissional de TI. Sou consultor de Tecnologias Livres e preciso me manter atualizado com as últimas novidades disponíveis em Software Livre. Em 2012, depois da trairagem da Canonical com o seu spyware eu deixei de usar o Ubuntu, que tinha sido meu sistema operacional por 6 anos. Fui apresentado ao openSuse pela amiga e também militante do Software Livre, Izabel Valverde e gostei muito, em especial da versão Tumblebee considerada instável e que libera sempre as últimas versões de tudo. Mas é claro que tomei o cuidado de substituir o kernel que vem nele pelo linux-libre.

O meu problema pessoal com as distribuições recomendadas pela FSF é o tempo de atualização. Esse é um problema para mim, mas não para a maioria dos usuários comuns. Se a ideia é ter um sistema operacional estável, seguro e realmente livre, opte por uma das sugeridas pela FSF.

Apenas para esclarecer, já faz alguns meses que migrei para o Debian Sid :-)

P: E Android?

Uso sim. Não há outra opção viável no mercado. Até ensaiei um Firefox OS, mas ele não é estável o suficiente e ai terminou que ele foi descontinuado. Android não é 100% livre, até porque isso não é possível nos aparelhos comercializados hoje em dia. O Replicant, a tentativa de um Android 100% livre esbarra na falta de drivers livres para fazer o wifi funcionar, por exemplo.

O que faço é não usar os aplicativos do Google. Assim optei por usar uma ROM chamara OMNI e sempre sugiro que usem a CyanogenMOD ou outra, que seja o mais limpa possível. Sem conta do Google e usando repositórios alternativos como Aptoide.com e F-droid.org. Será que ficou claro que eu prezo pela possibilidade?

P: Você usa Ubuntu de alguma forma? Alguns testes nos seus servidores indicam que sim e claro que isso não pega bem para quem dissemina o #semUbuntu

Não uso Ubuntu desde 2012 em nenhum lugar. Eu contratei uma hospedagem compartilhada na DreamHost.com que tinha seus servidores rodando RedHat. Como se sabe, nesses casos você não tem nenhuma autonomia sobre a distribuição que é utilizada. Assim, um belo dia, eles migraram os servidores de RedHat para Ubuntu e foi assim que eu terminei usando Ubuntu sem saber por algum tempo. Quando fui alertado do problema tomei medidas imediatas.

Eu mantenho dois servidores próprios: um para a minha página pessoal e outro de um serviço de hospedagem de e-mail KyaHosting e ambos rodam sobre Trisquel.

Trisquel é uma distribuição mantida por um coletivo espanhol que se dedica a remover TUDO o que não é livre das versões LTS do Ubuntu. É tão bem feito e tão confiável que ganhou homologação da FSF. Mas tem um porém: quando eles percebem que não é necessário tocar em algum pacote, eles não mudam nem mesmo as assinaturas. Então programas como Nginx e PHP informam que se trata de um Ubuntu, quando na verdade é Trisquel. É um caso típico de falso positivo.

P: Vai bem dizer que você num usa um "softwarezinho" privativo aqui e ali?

Uso sim. As vezes é inevitável ou desejável. Um excelente exemplo de inevitabilidade são os aplicativos de banco. Simplesmente não há alternativa. Então se submeter ao uso de algum software não livre é aceitável até mesmo para um ativista, mas não pode ser somente isso. E o problema, em geral, é exatamente saber qual é o limite?

Na minha opinião o limite é aquilo que pode ser substituído, ou seja, se há uma opção livre ela deve ser usada, mesmo com menos recursos. No fim a pressão pelo uso de software não livre vem do mercado, ou seja da demanda. Como a maioria das pessoas não se importa com a liberdade do software, então a oferta de determinadas soluções é mínima ou inexistente. É o caso dos drivers de wifi para smartphones.

Acredito que se a maioria das pessoas desse a devida importância ao Software Livre e se dedicasse a exigir de seus fornecedores que liberassem o código de seus programas, inclusive os drivers do hardware, o cenário do mercado seria completamente diferente. É como ser um tanto ecologista ou "natureba". O preço dos alimentos orgânicos é absurdo porque a demanda é baixa. O interessante é que ninguém, deliberadamente, quer consumir agrotóxicos. É como se todo mundo esperasse o outro fazer a diferença. É o famoso "deixa que eu deixo" e a bola termina no chão com ponto para o adversário. Neste caso é um processo de auto flagelo, estamos nos condenando a consumir mais veneno, mais tecnologia privativa, etc.

É um paradoxo: quanto mais as pessoas exercem sua liberdade de escolher usar tecnologia sem se importar se ela é livre ou não, menos livres elas se tornam. Isso gera um padrão de mercado, que termina forçando os que se importam com a liberdade do software a enfrentar sérios dilemas cotidianos: usar ou não usar, distribuir ou não distribuir, recomendar ou não recomendar alguns softwares não livres.

P: Você sempre repete que o Linux não é Software Livre. Imagino que esteja se referindo aos  blobs. Considerando que estes não fazem parte do kernel, você não está sendo desonesto, fazendo FUD?

Isso é algo extremamente sem sentido: quanto mais eu digo a verdade, mais me acusam de estar mentindo. Parece um universo paralelo, espelhado. O linux é o kernel mais popular do sistema operacional GNU. Há outros, mas infelizmente não tão usáveis. Será que você já parou para pensar porque?

Precisamos definir o que é um kernel usável. Se por uma parte é o fato dele ser bem feito e permitir o gerenciamento adequado do hardware, sem dúvida. Mas há outro quesito fundamental que precisa ser considerado: suporte ao hardware existente. O que poucas pessoas parecem entender é que desde 1994 o Linus optou pelo pragmatismo em detrimento da filosofia libertária do Software Livre. Desde esse ano ele se utiliza de uma carência legal da GPL 2 para embutir software não livre no kernel. Sim, isso mesmo, desde 1994. Então o arquivo fonte que você baixa em
kernel.org está tão recheado de software não livre que a liberdade 0 - aquela que diz que você deve poder fazer qualquer coisa com o software - não é respeitada. Portanto não é magia, nem mesmo competência o que tem feito o Linux ser cada vez mais compatível com uma vasta gama de hardware do mercado, mas sim a infecção progressiva do kernel com mais e mais drivers não livres.

O mais interessante é que desde então a quantidade de softwares não livres só aumenta. Chegamos a um ponto em que um fork do Linux foi criado: linux-libre. Nele todos os softwares não livres são removidos e o resultado é um kernel realmente livre.

Então, nem o Linux é Software Livre e também não é Open Source. Vejam que ironia, porque até mesmo os defensores de uma certa dose de pragmatismo ideológico estão levando uma rasteira daquelas. E se o Linux não é FLOSS então Tux não nos representa.

P: Você faz parte da iniciativa #semUbuntu e sugeriu que o FLISOL, por exemplo, não instalasse mais essa distribuição. Você não acha melhor migrar um usuário de Windows para Ubuntu, do que não migrar?

O #semUbuntu é uma provocação simplista para mentes simplistas. Se o kernel distribuído não é livre, parte dos softwares distribuídos não é livre, então o Ubuntu não é livre. Se o sistema operacional não é livre por que o Festival Latinoamericano de Instalação de SOFTWARE LIVRE instala ele? Talvez porque a maioria dos voluntários que realizam o FLISOL são iniciantes entusiasmados que foram apresentados ao Linux e ao Ubuntu como sendo Software Livre, quando não o são. Esses foram enganados e, infelizmente, estão ajudando a espalhar o engano.

Honestamente acho que migrar um usuário de Windows para Ubuntu é melhor do que não migrá-lo, mas desde que ele saiba que o que ele está usando não é Software Livre. O mesmo pode ser dito de um smartphone: prefiro um que use Android do que iOS ou WinPhone, mas isso não implica dizer que o Android é Software Livre. A provocação aqui é que se deixe claro para o instalador e para o usuário que o sistema operacional que está sendo instalado não é livre. Assim ambos não se deixam enganar e não propagam mais a enganação.

Se todos os realizadores do FLISOL assumissem um compromisso com os valores no evento e do Software Livre eles fariam isso. E então ficaria muito estranho ter que explicar para as pessoas que aparecessem que vão instalar um Linux que não é livre, pois o que geralmente leva as pessoas ao FLISOL é exatamente experimentar a liberdade.

Então se for para migrar um usuário de Windows para Ubuntu, dizendo para ele que ele está usando Software Livre, é melhor não migrá-lo. Uma vez revelado que o Ubuntu não é livre, não faz mais sentido instalá-lo e ai as opções seriam as distribuições indicadas pela FSF.

P: Mas você não acha ridículo deixar um usuário novato sem sua Wifi funcionando somente para não instalar alguns Kb de software privativo?

O que é verdadeiramente ridículo é alguém defender o uso desses poucos Kb de softwares não livres sem contar isso para os usuários. Acho que existem opções claras de resolver esse impasse: explique bem o problema para a pessoa, assim ela terá o direito de ficar indignada com o fabricante; troque a placa wifi por uma que funcione com drivers livres. É fácil e barato; pressione o Linus a não embutir softwares não livres no kernel. O que não pode ser feito é enganar os usuários iniciantes.

P: Você não acha que é muito rude, grosseiro e duro nos seus artigos?

Honestamente não acho. Ser explícito e contundente com pessoas que sabem exatamente o que você está dizendo não é grosseria, é respeito. É como dizer que um Procurador está sendo pernóstico por usar uma redação demasiadamente jurídica em suas peças para apreciação da plenária. Meus artigos e textos não estão direcionados aos iniciantes e leigos. Tenho me dirigido aos Movimentos de Software Livre existentes, aos ativistas, organizadores de eventos, aos já iniciados e aos dinossauros salafrários que se camuflam por trás da pecha de liberdade, linux e Software Livre para enganar as pessoas em benefício próprio. Inclusive esses são os que mais reagem.

P: Todos dizem que você é muito radical. Você se considera radical, "xiita" ou terrorista?

Engraçado isso. Dependendo de quem me classifica assim, pode estar exageradamente certo ou absolutamente equivocado. Permita-me explicar.

Se quem acha que eu sou extremista for uma pessoa que não entende bem o que é Software Livre ou um defensor do software não livre, então, apesar do exagero, desde o ponto de vista ignorante dele, eu sou sim um extremista, um radical. Afinal de contas quero que todos os softwares do mundo sejam livres.

Mas se quem me acusa é um OSIsta ou um pseudo ativista do Software Livre, então o ataque é uma tentativa de me desqualificar. Como eu defendo o conceito original do Software Livre estabelecido pelo Stallman, e o que essas pessoas estão tentando fazer é mudar esse conceito, me considero um conservador empedernido. Eu quero que o conceito seja mantido e respeitado.

P: Você não acha que está prestando um desserviço à Comunidade? Provocando brigas, rachas e mal estar?

Na verdade eu espero estar causando rachas e mal estar. O objetivo é exatamente desestabilizar os oportunistas que continuam querendo colocar Software Livre e Open Source no mesmo saco, tudo junto e misturado porque assim se encaixa melhor com suas ideologias de mercado, porque assim atendem melhor aos seus interesses comerciais, por que assim podem manter a imagem de consultores, especialistas, profissionais de Software Livre, porque assim podem manter seu prestígio construído sobre os alicerces da filosofia GNU sem ter que respeitá-la.

Quando gero o antagonismo e provoco o contraditório, as mascaras caem e o verdadeiro posicionamento de cada um se revela. Tem sido assim com blogueiros, líderes de comunidades, organizadores de eventos, jornalistas e toda sorte de pseudo ativistas que se escondiam na sombra da área cinza que se gera quando se usa o acrônimo FLOSS(FOSS).

O conflito leva à discussão, que abre espaço para a reflexão e permite um posicionamento mais honesto frente aos outros e para si mesmo. Alguns veteranos do Movimento Software Livre, depois de lerem alguns dos meus artigos tem me confidenciado - e em alguns casos assumido publicamente - que não são mais defensores ou ativistas do Software Livre. Afinal de contas ninguém é obrigado a concordar, aceitar e seguir os preceitos filosóficos do GNU. O que não é produtivo é tentar deturpar o seu significado e suas diretrizes para que se encaixem na sua própria visão. Isso é desonestidade.

Estas são as minhas opiniões. Todos somos, ou deveríamos ser, livres para fazer suas próprias escolhas. Não condeno quem opta por seguir um caminho ideológico ou prático. Mas posso discordar e exercer meu direito humano de expressão. Meu embate é com os iludidos, desatenciosos ou falsos e mal intencionados que defendem a convivência, complacência e uso de softwares não livres e ainda dizem que isso é Software Livre. Faça sua escolha, siga o seu caminho, mas não se engane e muito menos iluda outros.

Esse questionário foi pensado por mim, inspirado em muitas das agressões e provocações que tenho recebido. Se você quiser me perguntar qualquer outra coisa, fique à vontade e pergunta. Só peço que o faça com educação e sem grosseria. Quem sabe em breve sai um capítulo 2 do Auto Trolagem.

Saudações Livres!



FreeBSD Project News News from the FreeBSD Project




New committer: Wojciech Macek (src)



FreeBSD Foundation Statement on Harassment



The FreeBSD Core team has released an Initial Statement about harassment in the FreeBSD Community



New committer: Michal Meloun (src)



New committer: Jonathan T. Looney (src)







New committer: Svatopluk Kraus (src)



New committer: Kurt Lidl (src)



New committer: Andriy Voskoboinyk (src)



OpenBSD Journal The OpenBSD Community.
Call for testing: Concurrent malloc(3) calls (to speed up firefox)

Mark Kettenis (kettenis@)
posted to tech@ asking Firefox users and others to test a patch that changes the threadsafe malloc(3) strategy from spinlocks to mutexes. Mark writes,

Firefox makes a lot of concurrent malloc(3) calls. The locking to make malloc(3) thread-safe is a bit...suboptimal. This diff makes things better by using a mutex instead of spinlock. If you're running Firefox you want to try it; it makes video watchable on some machines. If you're not running Firefox you want to try it; to make sure it doesn't break things.

Testing this requires a recent -current (5.9-beta) system; grab the latest source, apply the patch, rebuild and report back any effects, good or bad.



OpenSSH: client bugs CVE-2016-0777 and CVE-2016-0778

This is the most serious bug you'll hear about this week: the issues identified and fixed in OpenSSH are dubbed CVE-2016-0777 and CVE-2016-0778.

An early heads up came from Theo de Raadt in this mailing list posting.

Until you are able to patch affected systems, the recommended workaround is to use

# echo -e 'Host *\nUseRoaming no' >> /etc/ssh/ssh_config

That is, add the option UseRoaming no to your /etc/ssh/ssh_config (or your user's ~/.ssh/config) file, or start your ssh client with -oUseRoaming=no included on the commandline.

We will be updating this article with more information as it becomes available. Read more...

Xen Support Enabled in -current

Those of you who have been following OpenBSD commits have no doubt noticed the recent work on supporting OpenBSD as a guest on the
Xen hypervisor.
Read more...

Pre-5.9 pledge(2) update

In a continuing series of
pledge(2) reports, Theo de Raadt (deraadt@) gives us the latest update before the 5.9 freeze. Read more...

freebsd - Google Notícias Google Notícias
FreeBSD bientôt prêt pour les serveurs ARM 64 bits - Silicon


Silicon

FreeBSD bientôt prêt pour les serveurs ARM 64 bits
Silicon
Le support ARM 64 bits pourrait être assez large, en particulier dans le monde des serveurs, où les puces ARM sont standardisées afin de simplifier le développement des OS. FreeBSD est ainsi compatible avec le SoftIron Overdrive 3000, un serveur à base ...



FreeBSD 10.3-BETA1 - Hungarian Unix Portal



New FreeBSD Quarterly Status Report published - OS News


New FreeBSD Quarterly Status Report published
OS News
Efforts to bring our BSD high standards to new architectures continue, with impressive work on arm64 leading to its promotion to Tier-2 status and a flurry of work bringing up the new RISC-V hardware architecture. Software architecture is also under ...



FreeBSD Patches Kernel Panic Vulnerability - Threatpost


Threatpost

FreeBSD Patches Kernel Panic Vulnerability
Threatpost
FreeBSD has patched a denial-of-service vulnerability affecting versions configured to support SCTP and IPv6, the default configurations on later version of the open source OS. Researchers at Positive Technologies in the U.K. said versions 9.3, 10.1 ...







bsd - Google Notícias Google Notícias
BSD trustees get look at preliminary budget - Brandon Sun


Brandon Sun

BSD trustees get look at preliminary budget
Brandon Sun
At a special board meeting Wednesday evening, BSD secretary-treasurer Denis Labossiere walked trustees through the 36-page preliminary operating budget for 2016-17, which summarizes a list of budget requests and forecasts the tax ramifications that ...



Global Blind Spot Detection (BSD) System Industry - PR Newswire (press release)


Global Blind Spot Detection (BSD) System Industry
PR Newswire (press release)
26, 2016 /PRNewswire/ -- This report analyzes the worldwide markets for Blind Spot Detection (BSD) Systems in US$ Thousand. The report provides separate comprehensive analytics for the US, Canada, Japan, Europe, Asia-Pacific, and Rest of World.

e mais »


Blackrock Strategic Municipal Trust Fund (BSD) to Issue Monthly ... - Financial Market News


Blackrock Strategic Municipal Trust Fund (BSD) to Issue Monthly ...
Financial Market News
Blackrock Strategic Municipal Trust Fund logo Blackrock Strategic Municipal Trust Fund (NYSE:BSD) declared a monthly dividend on Tuesday, February 2nd, Analyst Ratings.Net reports. Shareholders of record on Tuesday, February 16th will be given a ...

e mais »


BSD names new superintendent - Dailyleader


Dailyleader

BSD names new superintendent
Dailyleader
To achieve this, he said the district will ensure that all teachers are growing students and that all students are growing, including both high and low achievers. He also believes a key to BSD's success is motivating and developing students through a ...







BSD may need $6M for accessibility work - Brandon Sun


BSD may need $6M for accessibility work
Brandon Sun
Denis Labossiere, BSD's secretary-treasurer, said the report is preliminary and that all costs are estimates. He said the province will likely pay for just less than half of the projected upgrades, leaving an estimated $3.19 million to be tapped from ...

e mais »






Hopes high for BSD's newest leader - Dailyleader



BSD Now 126. epizód - Illuminating the future on PC-BSD - Hungarian Unix Portal



BSD trustees OK capacity solutions - Brandon Sun


BSD trustees OK capacity solutions
Brandon Sun
The Brandon School Division's plan to resolve capacity problems at some of its schools was approved with little fanfare on Monday. The BSD board of trustees voted unanimously in favour of three proposals put forward by administration. The stamp of ...



freebsd - Google News Google News
New FreeBSD Quarterly Status Report published - OS News


New FreeBSD Quarterly Status Report published
OS News
Efforts to bring our BSD high standards to new architectures continue, with impressive work on arm64 leading to its promotion to Tier-2 status and a flurry of work bringing up the new RISC-V hardware architecture. Software architecture is also under ...



OPNsense 16.1 "Crafty Coyote" Released - SYS-CON Media (press release)


OPNsense 16.1 "Crafty Coyote" Released
SYS-CON Media (press release)
The latest release is based upon the latest FreeBSD 10.2 release for long-term support. "With the 'Crafty Coyote', OPNsense continues to deliver right on schedule", says Jos Schellevis, Deciso's CTO. "I am confident we are making big progress towards ...

and more »


OPNsense 16.1 "Crafty Coyote" Released - Virtual-Strategy Magazine


OPNsense 16.1 "Crafty Coyote" Released
Virtual-Strategy Magazine
MIDDELHARNIS, Netherlands, Jan. 28, 2016 /PRNewswire-iReach/ -- OPNsense - opnsense.org - is the only major FreeBSD based open source security & firewall platform with an Open Source Initiative approved license. The project combines the best of ...

and more »


Linaro provides go-to Linux-based software stack for ARM servers - MIS Asia


MIS Asia

Linaro provides go-to Linux-based software stack for ARM servers
MIS Asia
A beta version of FreeBSD has been demonstrated running on 64-bit ARM server chips. Credit: ARM. While ARM processors don't lack for software development support in the mobile device space, it's a different story when it comes to servers. Software and ...

and more »


FreeBSD Patches Kernel Panic Vulnerability - Threatpost


Threatpost

FreeBSD Patches Kernel Panic Vulnerability
Threatpost
FreeBSD has patched a denial-of-service vulnerability affecting versions configured to support SCTP and IPv6, the default configurations on later version of the open source OS. Researchers at Positive Technologies in the U.K. said versions 9.3, 10.1 ...



Introduction to the FreeBSD Open Source Operating System LiveLessons - iProgrammer


iProgrammer

Introduction to the FreeBSD Open Source Operating System LiveLessons
iProgrammer
Marshall Kirk McKusick is no stranger to the world of FreeBSD. Well equipped with a Master's as well Doctoral degree in Computer Science and past president of the Usenix Association, he has overseen the development and release of BSD 4.3B and 4.4 as ...



Nvidia 361.16 Beta Out Now for Linux, BSD and Solaris with OpenGL Vendor-Neutral Driver - Softpedia News


Softpedia News

Nvidia 361.16 Beta Out Now for Linux, BSD and Solaris with OpenGL Vendor-Neutral Driver
Softpedia News
Earlier today, January 5, 2016, Nvidia announced the release of a new Beta version of its graphics drivers for GNU/Linux, FreeBSD and Solaris operating systems, version 361.16. According to the release notes, the Nvidia 361.16 Beta video driver ...



Toxic Activist Randi Harper Finally Quits FreeBSD - Breitbart News



BSD-Based pfSense 2.2.6 Firewall Patches WebGUI and OpenSSL Security Issues - Softpedia News


Softpedia News

BSD-Based pfSense 2.2.6 Firewall Patches WebGUI and OpenSSL Security Issues
Softpedia News
Electric Sheep Fencing LLC., through Chris Buechler, has been glad to announce the immediate availability for download of the sixth maintenance release of the stable pfSense 2.2 FreeBSD-based firewall distribution. According to the release notes, which ...



Ultimate guide to Raspberry Pi operating systems, part 2 - Network World


Ultimate guide to Raspberry Pi operating systems, part 2
Network World
A few months ago we published the Ultimate guide to Raspberry Pi operating systems, Part 1 and today, for your continuing RPi pleasure, we have Part 2! Here we have another 21 ways to make your Raspberry Pi into a workhorse. Most of the following are ...

and more »


bsd - Google News Google News
Trustees weigh several budget requests - Brandon Sun


Trustees weigh several budget requests
Brandon Sun
Rising costs and enrolment numbers will make for difficult decisions as Brandon School Division trustees wrestle with how much to add to the annual operating budget this week. On Wednesday, BSD trustees will host a public consultation at the Meadows ...

and more »


Trustees weigh several budget requests - Brandon Sun


Trustees weigh several budget requests
Brandon Sun
Rising costs and enrolment numbers will make for difficult decisions as Brandon School Division trustees wrestle with how much to add to the annual operating budget this week. On Wednesday, BSD trustees will host a public consultation at the Meadows ...

and more »


Blackrock Strategic Municipal Trust Fund (BSD) To Go Ex-Dividend on February 11th - Intercooler Financial


Blackrock Strategic Municipal Trust Fund (BSD) To Go Ex-Dividend on February 11th
Intercooler Financial
Blackrock Strategic Municipal Trust Fund logo Blackrock Strategic Municipal Trust Fund (NYSE:BSD) declared a monthly dividend on Tuesday, February 2nd, MarketBeat.com reports. Stockholders of record on Tuesday, February 16th will be given a dividend ...

and more »


Blackrock Strategic Municipal Trust Fund (BSD) to Issue Monthly Dividend of $0.07 - Financial Market News


Blackrock Strategic Municipal Trust Fund (BSD) to Issue Monthly Dividend of $0.07
Financial Market News
Blackrock Strategic Municipal Trust Fund logo Blackrock Strategic Municipal Trust Fund (NYSE:BSD) declared a monthly dividend on Tuesday, February 2nd, Analyst Ratings.Net reports. Shareholders of record on Tuesday, February 16th will be given a ...

and more »


What's Ahead for BSD Crown Ltd After Today's Huge Increase? - Sonoran Weekly Review


What's Ahead for BSD Crown Ltd After Today's Huge Increase?
Sonoran Weekly Review
The stock of BSD Crown Ltd (LON:BSD) is a huge mover today! The stock is down 5.62% or GBX 1.25 after the news, hitting GBX 21 per share. BSD Crown Ltd (LON:BSD) has risen 11.95% since July 6, 2015 and is uptrending. It has outperformed by 19.75% ...

and more »


New FreeBSD Quarterly Status Report published - OS News


New FreeBSD Quarterly Status Report published
OS News
Efforts to bring our BSD high standards to new architectures continue, with impressive work on arm64 leading to its promotion to Tier-2 status and a flurry of work bringing up the new RISC-V hardware architecture. Software architecture is also under ...



BSD trustees get look at preliminary budget - Brandon Sun


Brandon Sun

BSD trustees get look at preliminary budget
Brandon Sun
At a special board meeting Wednesday evening, BSD secretary-treasurer Denis Labossiere walked trustees through the 36-page preliminary operating budget for 2016-17, which summarizes a list of budget requests and forecasts the tax ramifications that ...



Traders lament high cost of goods, poor sales - National Mirror


National Mirror

Traders lament high cost of goods, poor sales
National Mirror
As the first quarter of the year runs into the midstream, traders on the Lagos Business District, BSD, have been taking stock of their activities, a month after the New Year festivities. Broad Street Diary,BSD, went round the different markets on Lagos ...



Hopes high for BSD's newest leader - Dailyleader



BSD names new superintendent - Dailyleader


Dailyleader

BSD names new superintendent
Dailyleader
To achieve this, he said the district will ensure that all teachers are growing students and that all students are growing, including both high and low achievers. He also believes a key to BSD's success is motivating and developing students through a ...



Online:
Nós temos 18 visitantes online


Devil Store - Sua loja BSD
FreeBSD Brasil LTDA

FUG-BR: Desde 1999, espalhando BSD pelo Brasil.